Opinião

Revolução sonora: versão podcast

podcasts

A indústria está fascinada com a popularidade dos podcasts e a competição entre a Apple e o Spotify

Os auscultadores Bluetooth estavam com 100% de bateria quando, a caminho do ginásio, decidi que ia começar a ouvir a primeira temporada de “Serial.” A empreitada sonora da jornalista Sarah Koenig, da qual eu conhecia outros trabalhos recentes, apanhou-me numa curva viciada. Não consegui parar. A história misteriosa da condenação de Adnan Syed pelo homicídio da ex-namorada e as tremendas contradições que a rodeiam deixaram-me agarrada ao podcast durante todo o dia. Ouvi tudo de seguida. O tom de voz familiar de Sarah acompanhou-me enquanto lavava a loiça e fui à lavandaria, esteve comigo na cozinha e na sala, entrou-me pelos ouvidos durante a ida ao supermercado.

Percebi porque é que “Serial” deu nova vida à indústria e porque lhe chamam a “Guerra dos Tronos” dos podcasts. A HBO acaba de lançar um documentário a partir do trabalho feito no podcast. As duas primeiras temporadas acumularam 175 milhões de downloads e, no meu caso, funcionaram como droga de entrada no mundo dos podcasts de crime e investigação, depois de anos a devorar podcasts de política e ciência. Não fazia a menor ideia, mas o crime é o tema número um neste meio que explodiu nos últimos anos e constitui, verdadeiramente, o primeiro formato absolutamente novo de comunicação do século XXI.

Os números são quase desconcertantes: há 660 mil podcasts disponíveis para descarga, 28 milhões de episódios individuais e 62 milhões de ouvintes activos. O Spotify percebeu a oportunidade e fez uma grande investida neste espaço, ao comprar três startups em dois meses. Deu 230 milhões de dólares pela startup de podcasts Gimlet Media – três vezes mais que a sua valorização até ao início de 2019, comprou a Parcast e a Anchor e disse ter um orçamento de 400 a 500 milhões para compras este ano. Os dados da Voxnest para Março indicam que o investimento da empresa sueca está a dar frutos em vários mercados: embora o iTunes da Apple domine o espaço, inclusive em Portugal, o Spotify ultrapassou a líder em Espanha, Itália, México e Brasil, entre outros.

É uma competição interessante por todos os lados. O que está a marcar este ano é uma viragem para a rentabilização a sério da popularidade dos podcasts. Aqui, os influenciadores são de outra casta mas igualmente apetecíveis para marcas sedentas de alcançar públicos diversificados e de forma menos agressiva que os formatos tradicionais. Há algo a ser dito sobre ouvir um anúncio normal nos intervalos da rádio ou ouvir o criador do podcast favorito a falar da sua experiência com um produto. Quem ouve algumas dezenas, como eu, percebe que várias empresas estão a apostar forte neste formato, distribuindo até ofertas diferentes conforme o programa. Descobri vários serviços, inclusive outros podcasts, através das pausas para anúncio nos programas que ouço regularmente. Se não quiser aguentar a publicidade, basta andar 15 segundos para a frente.

Para os criadores dos podcasts, as versões limpas de anúncios são um produto atractivo que podem vender com subscrições. Cinco ou dez dólares por mês dão aos utilizadores acesso a conteúdos exclusivos, grupos secretos no Facebook, eventos ao vivo e outras regalias interessantes. É um modelo de negócio que funciona: as compensações pagas pelos anunciantes são das mais altas nos média. A excitação vê-se não apenas no investimento de empresas como o Spotify, mas também nos podcasters em série e nas startups dedicadas a este meio. Em janeiro, a Luminary anunciou o lançamento de 40 programas pagos e declarou que quer ser o “Netflix dos podcasts.” O facto de ter conseguido levantar 100 milhões de dólares de financiamento é mais uma prova de que o mercado sabe que aqui reside uma potencial mina de ouro.

É quase uma revolução sonora, que vai muito além da disponibilização de programas radiofónicos para ouvir mais tarde e de projectos nascidos da caturrice de jornalistas. Quer aprender a investir em imobiliário? Vamos a isso. Perceber o colégio eleitoral que enviou W. Bush e D. Trump para a Casa Branca? Fácil. Conhecer a fundo a vitimologia da Dália Negra na Hollywood dos anos quarenta? Também temos. Perceber as implicações da investigação do procurador especial Robert Mueller? É só escolher.

O podcast, tal como a rádio, tem características e vantagens únicas, que nenhum dos outros formatos que captam a atenção dos consumidores hoje possuem. Ver vídeos, passear pelo Instagram, ler notícias, distribuir memes – tudo isto implica ter o dispositivo na mão e os olhos fixados nele. Mas um podcast é uma companhia mãos e olhos livres que vai connosco para todo o lado. O bónus é que não tem os constrangimentos de estar “no ar”, como a rádio, não precisa de licenças e não depende de antenas.

O desafio é conseguir desbravar caminho no meio de tanto ruído. E perceber se, com 660 mil títulos disponíveis, há espaço para toda a gente que se vai metendo neste barco.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Revolução sonora: versão podcast