Opinião

Sangue em Silicon Valley

Theranos

Movendo-se entre a nata de Silicon Valley, Elizabeth Holmes interiorizou o comportamento que grassa neste vale da Califórnia: fingir até conseguir

Ela não piscava os olhos. Este pormenor, apontado pela recepcionista da empresa, torna-se impossível de ignorar à medida que o puzzle é montado à nossa frente. Ela não piscava os olhos como uma pessoa normal, repete o engenheiro Dave Philippides. A voz grave, o eyeliner preto, os olhos azuis que raramente piscam, a roupa sempre preta e a perene gola alta – ela não era uma pessoa normal. Durante duas horas, submergimos no mundo de mentiras fantásticas da mulher que um dia foi apontada como próximo Steve Jobs. A lente de Alex Gibney, o mesmo realizador que revelou o lado negro da Cientologia, mostra-nos que Elizabeth Holmes não era uma pessoa normal; ela era, ela foi, uma das maiores fraudes de sempre em Silicon Valley.

The Inventor – Out for Blood in Silicon Valley” é o documentário que conta a história desta empreendedora caída em desgraça, que antes do rebentar do escândalo era realeza na bolha do vale. O filme estreou ontem na HBO e faz um retrato cru e pungente da visionária que não o era; mostra também como o mote oficioso do vale do silício, “move-te rapidamente e parte coisas”, contribuiu para este cambalacho de proporções dantescas. Já é mau que os Zuckerbergs do vale joguem com a privacidade dos utilizadores como se fossem cartas do monopólio; mas Elizabeth Holmes quis jogar com algo que vai para lá de todas as barreiras homem-máquina.

A sua empresa, Theranos, ia revolucionar os testes de laboratório. Em vez de ser necessário enfrentar a agulha e tirar um ou mais tubos de sangue mediante prescrição médica, os pacientes poderiam pedir os seus próprios exames e fazê-los em farmácias. A ideia era incrível: uma caixa preta mais pequena que uma impressora empresarial teria a capacidade de fazer mais de 200 testes de laboratório diferentes a partir de umas gotas de sangue, tiradas com picada no dedo e depositadas num nanotubo. Os preços seriam uma fracção do custo de exames em laboratório. A longo prazo, seria possível comprar uma destas caixas para ter em casa, da mesma forma que os computadores passaram de mainframes do tamanho de uma sala a pequenos dispositivos em cima da secretária. A visão era extraordinária. Só havia um problema: não era possível.

A carregar player...

“The Inventor” conta como Elizabeth Holmes se deixou ultrapassar pela sua imaginação e passou a viver fora da realidade. Ela queria criar a Apple dos testes de laboratório. Ela queria ser o novo Steve Jobs (até a gola alta preta era parecida). Mas aquilo que foi buscar ao co-fundador da Apple não foi apenas a resiliência e perseverança; foi também o campo de distorção da realidade que o tornou um patrão terrível mas ajudou a originar o iPhone, e nela deu em acusações criminais que poderão atirá-la para a cadeia durante vinte anos.

Holmes foi ao mesmo tempo vítima e perpetradora. Movendo-se entre a nata de Silicon Valley, ela interiorizou o comportamento que grassa neste vale da Califórnia: fingir até conseguir, mentir para arrancar dinheiro a investidores, falhar e omitir, passar por cima de tudo e todos em prol de uma missão final.

O economista comportamental Dan Ariely aludiu a esse efeito ilusório que leva a dobrar as regras para chegar àquilo que se acredita ser uma boa causa. É impossível ver este documentário e não pensar nos atropelos de tantos outros “visionários” do vale; a diferença é que isto não era uma aplicação para pôr filtros nas fotos ou partilhar emojis animados. Holmes quis revolucionar um campo em que mau comportamento é a diferença entre a vida e a morte dos pacientes.

No auge, a Theranos levantou 400 milhões de dólares e ultrapassou uma avaliação de 9 mil milhões. É extraordinário ver o quão longe conseguiram ir antes de tudo implodir, graças à coragem de um jornalista de investigação do Wall Street Journal e de ex-empregados que não ficaram calados. A empresa fechou contrato com a cadeia de farmácias Walgreens para fazer testes de sangue aos pacientes sem que a sua máquina conseguisse realmente dar resultados fiáveis. Porque aquilo que Holmes queria não era só miniaturizar a maquinaria complexa (e pesada) usada em laboratórios; era também reduzir a amostra para quantidades muito baixas, um ponto a que a ciência ainda não chegou.

Há outras questões a colocar, tais como os perigos do auto-diagnóstico e a tendência de muita gente de se consultar com o “dr. Google” em vez de ir ao médico a sério. Não há dúvidas de que o duopólio dos testes de laboratório nos Estados Unidos merecia disrupção – mas há um motivo pelo qual é tão difícil conseguir autorizações dos reguladores, ensaios clínicos e patentes farmacêuticas. É um campo monstruoso. Esta mulher cativante e persuasiva, que largou a universidade de Stanford aos 19 anos tal como tantos outros mitos de Silicon Valley, julgou que seria David contra Golias. Afinal, foi um rato que deixou buracos na montanha.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Angela Merkel e Donald Trump. Fotografia: REUTERS/Kevin Lamarque

FMI corta crescimento da Alemanha, mas Espanha ainda compensa

Outros conteúdos GMG
Sangue em Silicon Valley