Opinião

Têm sido, os políticos, um passivo?

Assembleia da República. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens
Assembleia da República. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

No seu livro, Princípios de Finanças Empresariais, dois prestigiados académicos, R. Brealey, da LBS, e S. Myers, do MIT, verificando que o valor bolsista de algumas empresas era persistentemente inferior ao valor de mercado das suas reservas de petróleo, concluíam que mais valia comprar petróleo em Wall Street do que no Texas e deixavam a interrogação: serão as administrações um passivo?

Má gestão e investimentos ruinosos evidenciavam que os administradores eram mesmo um passivo.
Não é abusivo estender a interrogação aos políticos que nos vêm governando.

Em 2004, aquando do alargamento da UE 15, Portugal era, antes da Grécia, o país com o menor PIB per capita em termos de paridade de poder de compra, 72% da UE 15.

Desde então, fomos ultrapassados por muitos países do alargamento (Lituânia e Estónia, já em 2017), de penúltimos da UE 15 passámos à cauda da UE 28, e o PIB per capita baixou de 91% da média da futura UE 28, em 2004, para apenas 77% em 2017. Pelo meio, uma bancarrota a obrigar a intervenção externa.

Seguindo os dois académicos, não será forçado concluir que os nossos governantes têm sido mesmo um passivo.

Claro que os governos nunca assumem os erros e são os primeiros a louvarem-se de qualquer lampejo de crescimento, mesmo que só devido a fatores externos. O passivo estaria então nos empresários, pois são eles que fazem a economia, e a sua impreparação, carência de organização e má gestão explicariam a falta de competitividade que levou à estagnação económica.

Nada mais errado. É que a economia portuguesa vive num verdadeiro condicionamento industrial, com perfil diferente, embora não menos danoso do que o de Salazar, reflexo do espírito controleiro de um Estado burocrático de que o licenciamento moroso, desmotivante e causador de corrupção, é apenas uma das expressões. A que acrescem uma justiça sem tempo e ineficaz, uma política energética penalizadora da competitividade, desperdícios em investimento público sem retorno financeiro ou social, instabilidade tributária (nos últimos 20 anos à média anual de 150 alterações nos códigos fiscais), em que o esbulho leva a recordes da carga fiscal.

Promotores e sustentáculo desse condicionamento, salvo honrosas exceções, os políticos têm sido o grande passivo deste país. Pior, não se deixam reestruturar!

Economista

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Têm sido, os políticos, um passivo?