Tudo sob controlo

Os políticos lá terão as suas razões, mas sempre me fez muita
espécie porque será que os governantes (de qualquer quadrante)
omitem informação aos representantes de todos nós – os deputados –
ou então decidem dizer coisas taxativas sem explicitarem no que se
baseiam para as proferir. Ontem, na Assembleia da República, Passos
Coelho afirmou que “os dados do desemprego no quarto trimestre
de 2011 são consistentes com o cenário que traçámos, bem como com
a meta de 13,4% para 2012 (de média anual, face aos 12,7%, no ano
passado)”.

Recordemos. Depois de um ano de afundanço económico global,
o de 2009, com o PIB em Portugal a recuar -2,9%, o produto interno
voltou ao crescimento de +1,4%, em 2010, o que não evitou o
agravamento do desemprego: em 2009, havia 528 600 desempregados, em
média; em 2010, esse valor subiu para 602 600 (+74 mil). Em 2011, o
PIB contraiu-se -1,5% e o desemprego subiu 103 500 unidades, passando
para 706 100 (taxa anual de 12,7%). Para que a afirmação de Passos
Coelho seja certeira, o PIB de 2012 duplicará o recuo de 2011 (-3%)
e, ainda assim, o novo aumento de desempregados teria de reduzir-se
para menos de metade do registado no ano passado (+40 mil).

Uma coisa não casa com a outra: ou o produto cai na ordem de
grandeza esperada e o desemprego cresce mais do dobro do valor
implícito na afirmação do primeiro-ministro, ou então o PIB
ficará notoriamente acima do previsto, o que, para já, não parece
plausível. (Tudo o que se ouve em matéria de previsões carrega,
pelo contrário, os números com cores mais negras…) O
primeiríssimo sinal de que a crise possa estar a perder força é o
do indicador da atividade económica do Banco de Portugal, com um
valor negativo, em janeiro de 2012, de -2,7, ligeiramente melhor que
em dezembro de 2011, que fora -2,9. No entanto, outros indicadores
ainda não corroboram uma possível desaceleração da descida da
economia.

Conclusão: quanto mais os governantes dizem coisas, para dar a
ideia de que controlam a situação (mas estas não resistem à mais
simples análise), mais eu temo que estejamos entregues ao que a
Divindade quiser…

Redator principal

Escreve à sexta-feira

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Rui Freire conta com experiência na Microsoft, grupo Havas e Global Media Group. Fotografia: DR

Rui Freire passa da Microsoft para o grupo Omnicom

Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade. Fotografia: D.R.

Reembolsos do IRS subiram 253 milhões à boleia da reforma do imposto

Fotografia: REUTERS/ Lucy Nicholson

Estes são os atores mais bem pagos do mundo, segundo a Forbes

Médio foi um dos destaques da seleção portuguesa na Euro 2016. Fotografia: DR

Sporting vende João Mário ao Inter de Milão por 40 milhões de euros

Fotografia: EPA/DAVE HUNT

Uber perde mais de mil milhões de euros no primeiro semestre

arranjar emprego

Gig economy. A nova moda do mercado laboral não serve a Portugal

Conteúdo Patrocinado
Tudo sob controlo