Opinião

Uma alteração vital para o betão

REUTERS/Tim Wimborne
REUTERS/Tim Wimborne

A APEB defende alterações legislativas relevantes para a solidez dum setor que fatura 230 milhões de euros em Portugal e induz um acréscimo de valor enorme, no setor público e no privado. É urgente aumentar o peso máximo dos veículos de quatro eixos, que é o tipo de veículos mais utilizado no transporte do betão pronto.

E se lhe dissessem que uma pequena alteração ao Decreto-Lei n.º 132/2017 pode contribuir para diminuir o consumo anual de combustível em cerca de 1,2 milhões de litros e para reduzir as emissões de mais de 3,5 milhões de toneladas de CO2? E se acrescentássemos que seria possível alcançar estes valores sem prejuízo para as contas do Estado português e com benefícios claros para a economia?

Este é o debate que a Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto (APEB) tem procurado suscitar ao defender a alteração do peso máximo dos veículos de quatro eixos, que fazem o transporte de betão pronto em Portugal. Ao aumentar a capacidade dos camiões betoneira contribuir-se-ia, em primeiro lugar, para a eficiência do transporte neste setor, ao mesmo tempo que se protegia, de forma inequívoca, o ambiente. Sem provocar danos nas infraestruturas, como demonstrado por um estudo da Universidade de Tecnologia de Viena.

Uma das alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 132/2017 foi o aumento do peso máximo dos veículos articulados de cinco ou mais eixos. Esta alteração representa um aumento de 10% no peso máximo daquele tipo de veículos. É uma alteração semelhante que defendemos para os veículos de quatro eixos.

Divulgado pela nossa associação europeia (ERMCO), o estudo reforça que uma alteração ao peso máximo nos veículos de quatro eixos não prejudica as infraestruturas e não tem impacto negativo na segurança rodoviária. Por outro lado, os custos de manutenção das vias de circulação teriam apenas um aumento marginal de 0,06%, claramente sobrecompensados pelas poupanças em combustível e vantagens ambientais. A aprovação da alteração proposta resultaria ainda numa forma de alcançar as metas da União Europeia em matéria de redução das emissões de CO2 em 40% até 2030.

Reconhecemos, claro está, que os ganhos para o setor do betão pronto seriam muito relevantes – realizaríamos menos 86 mil viagens por ano, o que também seria benéfico para o tráfego, e aumentaríamos a eficácia do transporte e da sustentabilidade das empresas.

A APEB bate-se há anos pela resolução desta questão. Este é um caminho que temos feito com o apoio da ERMCO, organização europeia que reúne 25 associações nacionais como a nossa. Juntos acompanhámos as alterações legislativas verificadas, por exemplo, na Áustria, onde o peso máximo dos veículos de quatro eixos é neste momento de 36 toneladas.

Em Portugal, continuaremos à espera, mas numa espera ativa e esperançosa de uma resolução positiva para breve.

João Pragosa, presidente da APEB, Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Biedronka assegura 68% das vendas; Pingo Doce 24%

Jerónimo Martins vai impugnar coima de 24 milhões na Polónia

Parque Eólico

EDP Renováveis vende sete parques eólicos à Finerge em Espanha

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução.

Fundo de Resolução diz que comprador da GNB tinha a proposta “mais atrativa”

Uma alteração vital para o betão