Opinião

ZER Baixa-Chiado Avenida. Um incentivo à mobilidade sustentável

Imagem ilustrativa do futuro da Baixa de Lisboa
CML
Imagem ilustrativa do futuro da Baixa de Lisboa CML

A CML acaba de anunciar uma profunda e polêmica alteração na cidade: a introdução de uma zona de emissões reduzidas na Baixa, Chiado e Avenida que irá mudar a dinâmica de mobilidade de todos aqueles que querem chegar a estas zonas de Lisboa. A medida mais relevante passa pela proibição à entrada de veículos movidos a combustíveis fósseis salvo alguns casos de excepção que incluem moradores ou emergências.

Lisboa, enquanto capital verde europeia, está mais uma vez a dar um exemplo do que uma cidade com consciência ecológica e que se preocupa com vida dos seus habitantes e visitantes deve fazer. Para além das diversas propostas de alteração de ruas, avenidas e praças que vão melhorar a qualidade da experiência de quem vive e passa pela zona histórica da cidade, Lisboa está a incidir sobre o problema que, segundo o Banco Mundial, é responsável por 23% da produção de CO2 em todo mundo: a mobilidade.

Portugal é o 4º país da Europa com maior percentagem de vendas de veículos elétricos, mas ainda estamos muito longe de ter um parque automóvel verde. Com a criação da zona de emissões reduzidas, apenas os veículos elétricos vão poder entrar no centro histórico da cidade e esta medida vai servir, acima de tudo, de consciencialização para uma mobilidade sustentável dos Lisboetas e dos seus visitantes.

À semelhança do que aconteceu nas Avenidas Novas após as alterações realizadas em 2016, os planos para a ZER darão espaço para novos conceitos de lojistas, restaurantes e esplanadas abrirem nos amplos passeios que serão construídos. Estas novas atrações num espaço pensado para o peão em detrimento do carro levarão a que mais gente se desloque à zona histórica da cidade. Este facto vai levar a cada vez mais pessoas tenham contacto com formas de mobilidade sustentável e que sintam a diferença de uma cidade que deixa o carro próprio para segundo plano.

Metro, autocarros eléctricos, uberGREENs, bicicletas, trotinetas vão passar a fazer parte da experiência de ir do ponto A ao ponto B dentro da cidade de Lisboa. Este choque com a sustentabilidade vai fazer com que este tema esteja cada vez mais presente na vida de quem anda pela cidade e vai influenciar as suas decisões de mobilidade futuras: “será que o meu próximo carro deve ser elétrico?”, “quando chamar um Uber, opto pela solução elétrica?”, “sou motorista TVDE, devia optar por uma carro elétrico?” são questões que começarão a aparecer.

Mais que uma zona com menos poluição e pensada na experiência das pessoas, a ZER é um grande passo na mudança de mentalidade que as cidades terão de passar mais cedo do que mais tarde!

José Sacadura, CEO Power Dot

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações à comunicação social após a sessão de apresentação sobre a “Situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal”, realizada no Infarmed, em Lisboa, 24 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

“Impõe-se manter as medidas de contenção”, diz Marcelo

Foto: DR

Eletricidade. Fatura das famílias pode sofrer agravamento de quase 70%

Aviao TAP

Oficial: TAP avança para lay-off de 90% dos trabalhadores

ZER Baixa-Chiado Avenida. Um incentivo à mobilidade sustentável