Panteão Nacional

Jantar da Web Summit no Panteão Nacional foi, afinal, o terceiro deste ano

(redes sociais)
(redes sociais)

Contabilidade deixa de fora outro tipo de eventos que ocorreram noutras partes do Panteão Nacional.

Se não forem contabilizados outro tipo de eventos, o Panteão Nacional já deu lugar a pelo menos nove – dos quais três só este ano – jantares antes daquele que decorreu no passado sábado pela ‘elite’ da Web Summit (o terceiro deste ano) e que gerou revolta nas redes sociais e motivou troca de críticas entre os partidos políticos.

A notícia é confirmada pela Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) ao jornal Público. A entidade que gere o monumento histórico acrescentou que esta contabilidade deixa de fora outros eventos que decorreram ao longo do ano noutras zonas do Panteão, como o Coro Alto, a Sala Sul, o Terraço ou o Adro.

De acordo com os registos da DGCP, o primeiro jantar que ocorreu no Panteão foi em 2002, mas foi a partir de 2014 – altura em que foi assinado o despacho que regulamentava a realização de eventos naquele espaço – que começaram a planear-se mais acontecimentos do género no Corpo Central.

A diretora do Panteão, Isabel Melo, adiantou também à mesma fonte que foi rejeitado um pedido para a realização do réveillon no interior e imediações do monumento histórico.

António Costa, que classificou a iniciativa da Web Summit como “absolutamente indigna”, também não escapa à polémica. Em setembro de 2013, o atual primeiro-ministro, que na altura era presidente da Câmara Municipal de Lisboa, usou o espaço do Panteão Nacional para um evento para promover o fado. O evento foi promovido pelo Turismo de Lisboa, uma associação de fins privados, mas cuja presidência é assumida, por inerência, pelo presidente da Câmara de Lisboa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Jantar da Web Summit no Panteão Nacional foi, afinal, o terceiro deste ano