Poupança para a Vida

Francisco Lima: “Maior rendimento para uma maior poupança”

A carregar player...

Para várias famílias portuguesas, a capacidade de poupança é nula. Algo que poderá mudar com o aumento do rendimento disponível.

Uma taxa de poupança de 4% é objetivamente baixa. Como é que Portugal se compara em termos de poupança com outros países europeus?
Se pensarmos nesse valor, significa que quase 96% do rendimento das famílias é destinado ao consumo. E nessa medida é baixo. Mas o que nos permite qualificar isso é a comparação com outros países que são semelhantes. Se compararmos com Espanha, são 10%, se compararmos com a Polónia, é mais baixa, está para aí em 2%.

Mas comparando com a Irlanda, que também foi alvo de intervenção…
O caso da Irlanda é diferente. A evolução da taxa de poupança na Irlanda não é similar à nossa no seu perfil. A espanhola já tem acompanhado mais os altos e baixos e, apesar de agora ser mais alta, nos últimos dez anos houve momentos em que esteve mais baixa.

E o caso da Bélgica, que é um país geograficamente mais pequeno do que Portugal e que nos últimos anos tem tido uma situação política conturbada, mas que permanece com uma taxa de poupança mais alta?
Aí temos de olhar para o rendimento per capita. Em Portugal as pessoas com rendimentos mais baixos têm taxas de poupança próximas do zero, senão mesmo zero… Há uma parte do consumo que é fixo: as pessoas têm de se alimentar, têm de se vestir, transportes, habitação. Por muito que uma família queira poupar, tem de ter sempre um nível de consumo mínimo. Comparando com a Bélgica, temos de olhar para o rendimento per capital, que tem influência naquilo que as pessoas conseguem ou não poupar.
Isso significa que uma possível solução para subir as taxas de poupança seria aumentar o rendimento?
Uma das soluções seria obviamente essa: o país crescer mais e, ao crescer mais, a poupança também aumentasse. Olhando para os rendimentos das famílias portuguesas, vemos que são aquelas com rendimentos mais elevados que poupam mais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(DR)

CGD ainda é dos bancos com mais crédito concedido para compra de ações

Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Um terço das empresas não pagou impostos. Mais de mil pagaram AIMI

(Carlos Santos/Global Imagens)

Sindicato e operadores com acordo que pode terminar conflito no porto de Setúbal

Outros conteúdos GMG
Francisco Lima: “Maior rendimento para uma maior poupança”