Retalho Alimentar

Administração do Dia rende-se à OPA lançada pela LetterOne

DIA é dono dos supermercados Minipreço em Portugal.

Fotografia: Pedro Correia / Global Imagens
DIA é dono dos supermercados Minipreço em Portugal. Fotografia: Pedro Correia / Global Imagens

Dona dos supermercados Minipreço considera que, perante a situação atual da empresa, a OPA lançada pelo principal acionista é a melhor alternativa.

A administração do Dia, grupo que detém os supermercados Minipreço em Portugal, rendeu-se à proposta do milionário russo Mikhail Fridman. O grupo espanhol alertou para o risco potencial de insolvência e pronunciou-se favorável à Oferta Pública Inicial (OPA) lançada pelo seu principal acionista, o fundo LetterOne, escreve o El País.

A LetterOne propõe um aumento de capital de 500 milhões, após conclusão da OPA lançada à dona do Minipreço em Portugal a 0,67 euros por ação. Apesar das reservas, a administração da cadeia retalhista afirma num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores espanhola, na terça-feira, “não haver alternativa melhor para o conjunto dos grupos de interesse”.

Leia também: OPA à vista? Acionistas do DIA apoiam aumento de capital proposto pela LetterOne

No documento, é revelado ainda que a situação do Dia continua a agravar-se, tendo as vendas comparáveis caído 4,3% no primeiro trimestre. O grupo liderado por Borja de la Cierva adianta também que, em caso de insucesso da OPA, não existem alternativas previstas.

Para que a OPA seja bem-sucedida é necessária a aceitação de pelo menos metade do capital sobre o qual incide, ou seja, 35,499% das ações do Dia, garantindo o controlo de 64,5% do grupo. O plano de resgate traçado por Fridman implica ainda que haja um acordo com os bancos credores e o aumento de capital de 500 milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Administração do Dia rende-se à OPA lançada pela LetterOne