Saúde

ADSE com mandato para negociar com privados

( Jorge Amaral/Global Imagens )
( Jorge Amaral/Global Imagens )

Reunião de quase duas horas serviu para desbloquear o impasse entre a ADSE e os prestadores privados de saúde. Negociações avançam o quanto antes.

Está aberto o caminho para as negociações entre a ADSE e os prestadores privados de saúde para desbloquear o impasse que dura desde o final do ano passado. Na reunião de ontem entre a ministra da Saúde, o Conselho Geral e de Supervisão e o Conselho Diretivo da ADSE, foi dado o passo que faltava para reabrir um canal de comunicação com os grupos privados que anunciaram a suspensão dos acordos com o subsistema público de saúde.

Questionada sobre o calendário para o reinício das negociações, a ministra da Saúde recusou indicar uma data ou uma estratégia. “As negociações vão começar o quanto antes”, declarou Marta Temido, acrescentando que “É algo que vai acontecer a partir deste momento e, portanto, como imaginará não vou responder qual vai ser a estratégia negocial que vai ser utilizada dentro de portas”, afirmou a ministra.

Fontes ligadas às negociações referiram ao Dinheiro Vivo que esta posição significa que o Conselho Diretivo fica “mandatado para negociar com os privados.”

Marta Temido espera que as negociações cheguem a bom porto e que os privados não concretizem a ameaça de romper os acordos de convenção. “Penso que é prematuro estar a inquinar o diálogo. Neste momento é que estamos focados no interesse da ADSE e no cumprimento da lei.

38 milhões são para pagar
O diferendo entre a ADSE e os prestadores privados agravou-se no final do ano passado depois de a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) ter protestado contra a exigência de devolução de mais de 38 milhões de euros, considerado em faturação excessiva, aos prestadores de cuidados no regime convencionado – mais de 80% do valor devido pela Luz Saúde, José de Mello, Lusíadas, Trofa e Hospital Particular do Algarve.

Mas o montante não é negociável, garantiu o presidente do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da ADSE. “Há questões que não são negociáveis. A solução tem de passar pelo cumprimento da lei e das convenções”, declarou João Proença, acrescentando que a ADSE entra “seriamente num processo de negociações.”

Em relação às tabelas, João Proença referiu que o que está em causa “é fixar os preços máximos, regular os preços dos medicamentos. Porque existiam a pedido dos prestadores de saúde. Acabando-se com as regularizações”, afirmou o presidente do CGS. A ADSE está a fazer um trabalho nesta matéria e é essencial que o regime livre e convencionado e que as tabelas venham a ser publicadas, numa relação correta com os prestadores, com preços justos e não com uma prática de cada um poder praticar os preços que entende.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lagarde centeno coronavirus

BCE. Portugal está amarrado aos bancos outra vez e isso é mau

Fotografia: Mário Cruz/EPA

Presidente da República acompanha preocupação sobre retoma de rotas da TAP

avião da TAP

PS desafia TAP a corrigir plano de rotas áreas que “lesa interesse nacional”

ADSE com mandato para negociar com privados