Sucesso Made in Portugal

Altran Portugal e a falta de recursos: “Temos que importar talento”

A carregar player...

A realidade é simples, mas dura: a população portuguesa está a ficar envelhecida e não há engenheiros suficientes para tanta procura tecnológica.

“Nós temos um problema demográfico que está à nossa frente e não vamos ter tempo para revertê-lo”. Célia Reis, diretora executiva da Altran Portugal, referia-se ao envelhecimento da população portuguesa, mas este era apenas o aperitivo para aquele que seria o grito de manifesto da executiva.

“Temos que ter uma estratégia de importação de talento. Os EUA fizeram isso há anos. Os cérebros que estão em centros de investigação e desenvolvimento não são dos EUA, são de uma série de países. É algo que temos de fazer com urgência”.

O grande número de tecnológicas que têm vindo para Portugal e a expansão das que já cá estavam tem levado a uma verdadeira corrida por engenheiros informáticos e outros profissionais das áreas tecnológicas.

Só a Altran emprega 2.000 engenheiros em Portugal e está a contratar cerca de 400 novas pessoas por ano. “Se há data de hoje decidir recrutar 200 ou 250 séniores [pessoas com quatro ou cinco anos de experiência], descapitalizava uma série de empresas em Portugal. Temos estado a crescer 400 a 450 pessoas e não crescemos mais porque temos este constrangimento”, referiu Célia Reis.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Andrzej Grygiel

OCDE pede mais proteção da contratação coletiva

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Andrzej Grygiel

OCDE pede mais proteção da contratação coletiva

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Andrzej Grygiel

OCDE pede mais proteção da contratação coletiva

Outros conteúdos GMG
Altran Portugal e a falta de recursos: “Temos que importar talento”