Raríssimas

Aprovado requerimento do PS para ouvir ministro no parlamento sobre Raríssimas

Vieira da Silva, Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social
Foto: Bruno Simões Castanheira
Vieira da Silva, Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social Foto: Bruno Simões Castanheira

O requerimento do PS para que o ministro Vieira da Silva preste esclarecimentos sobre o caso da associação Raríssimas foi aprovado por unanimidade.

A comissão de Trabalho e Segurança Social aprovou esta quarta-feira por unanimidade um requerimento do PS para que o ministro Vieira da Silva preste esclarecimentos sobre o caso relativo a suspeitas de gestão danosa na associação Raríssimas.

O requerimento foi aprovado por unanimidade hoje de manhã na reunião daquela comissão parlamentar, faltando agendar uma data para a audição do ministro.

A comissão parlamentar marcou ainda para o mês de janeiro as audições requeridas desde julho pelo BE à secretária de Estado da Segurança Social e aos responsáveis da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, União de Misericórdias e União das Mutualidades.

O BE pretende “esclarecer a fiscalização do cumprimento de Acordos de Cooperação e a garantia de que as respostas financiadas pelo Estado e prestadas pelas IPSS [Instituições Particulares de Solidariedade Social] respeitam critérios de qualidade”.

O PS requereu na terça-feira a audição do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social tendo em vista “o esclarecimento efetivo” do caso de alegadas irregularidades financeiras da associação que presta apoio na área da doença mental e doenças raras, financiada pelo Estado.

O canal televisivo TVI divulgou no sábado uma reportagem sobre a gestão da Raríssimas, Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras, na qual mostrou documentos que colocam em causa a sua gestão, nomeadamente da sua presidente, Paula Brito e Costa, que alegadamente terá usado o dinheiro na compra de vestidos e vários gastos pessoais.

O ministro Vieira da Silva negou na segunda-feira que tenha tido conhecimento anterior de denúncias de gestão danosa da associação Raríssimas e anunciou uma ação de inspeção à entidade, a começar nos próximos dias.

Em declarações aos jornalistas na terça-feira, no parlamento, a deputada do PS Idália Serrão defendeu a necessidade de o Estado reforçar as ações inspetivas de acompanhamento das IPSS.

“A relação entre o Estado e as IPSS, de forma alguma, pode ficar fragilizada ou beliscada. O trabalho que as IPSS fazem ao nível do apoio às famílias é de tal forma sério que não devem subsistir dúvidas”, considerou a antiga secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Aprovado requerimento do PS para ouvir ministro no parlamento sobre Raríssimas