autoeuropa

Autoeuropa já tem dois cargueiros a caminho para escoar carros

Porto de Setúbal. (RUI MINDERICO/LUSA)
Porto de Setúbal. (RUI MINDERICO/LUSA)

Fábrica de Palmela prevê exportar nas duas últimas semanas do ano os 22 mil carros que estão parados no porto de Setúbal.

Os milhares de carros da Autoeuropa estacionados desde novembro no porto de Setúbal vão começar a ser escoados já. O grupo Volkswagen está a preparar uma grande operação logística para garantir que a fábrica de Palmela não volte a parar na próxima semana. Ao porto chegaram já dois cargueiros, depois de anunciado o fim da greve dos estivadores.

Com a assinatura, na sexta-feira, do acordo entre os operadores logísticos e o Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística (SEAL) para a integração imediata de 57 trabalhadores eventuais, o porto de Setúbal vai retomar a atividade nos próximos dias, depois de 40 dias de paragem devido à greve às horas extraordinárias e da recusa dos estivadores eventuais em trabalhar com contratos ao dia.

Desta forma, será possível enviar para a Alemanha boa parte dos mais de 22 mil carros que estão guardados na Base Aérea do Montijo, no porto da cidade e no parque da fábrica de Palmela. O ritmo da exportação irá depender do número de navios que chegarem, entretanto, ao terminal de carga.

Os automóveis que ainda estão parqueados nos portos de Leixões e de Vigo e Santander (Espanha) também serão enviados para a Alemanha nos próximos dias, segundo fontes ligadas à fábrica de Palmela. A Autoeuropa, tal como acontecia até ao início de novembro, vai voltar a expedir todos os carros produzidos em exclusivo a partir de Setúbal.

A retoma da atividade neste porto permite que a fábrica de Palmela mantenha a produção diária de 885 carros ao longo da próxima semana, até à paragem por falta de peças para os motores a gasolina – cada vez mais procurados pelos consumidores – e pela falta de unidades a gasóleo, devido às novas normas de emissões.

A Autoeuropa, agora, volta ao plano A. A produção será interrompida por 11 dias, entre o turno da tarde de 22 de dezembro e apenas será retomada no turno da noite de 4 de janeiro. Mesmo assim, com este cenário, há 600 pessoas a trabalhar para as empresas fornecedoras da Autoeuropa que vão chegar ao Natal sem contrato.

Paz social em Setúbal
O regresso à normalidade na Autoeuropa – e a empresas como a Cimpor, Siderurgia Nacional e Secil – apenas foi possível depois do acordo entre a Operestiva e o SEAL e cujas negociações foram mediadas pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

“O acordo alcançado permite resolver a situação de precariedade existente no porto de Setúbal, que chegou a um ponto insustentável; e retomar a rota do crescimento económico e do emprego na Península de Setúbal e no país”, destacou a ministra.

O documento prevê a integração dos estivadores eventuais em duas fases: no imediato, serão integrados no quadro 56 trabalhadores; a curto prazo está prevista a integração entre 10 e 37 estivadores nos quadros, conforme o volume de cargas que for recuperado pelos operadores de logística de Setúbal nas próximas semanas. Se a recuperação for ainda mais rápida, está aberta a porta para a entrada nos quadros de ainda mais alguns estivadores.

António Mariano, presidente do SEAL, assinalou que este acordo resolve, no imediato, os problemas no porto de Setúbal. “Tínhamos 150 famílias a viver um drama”. Mas recordou que “ainda há questões por resolver nos outros portos”, como no caso do Caniçal (Madeira), Leixões e Lisboa.

Da parte da Operestiva, Diogo Marecos garantiu que “estão reunidas as condições” para que o porto de Setúbal retome a normalidade ao longo das próximas semanas. “Vamos conseguir diminuir o número de trabalhadores eventuais. Se as cargas portuguesas que estavam em Espanha voltarem a Portugal vamos contratar mais pessoas”, assegurou o gerente da operadora de logística do grupo Yilport.

O acordo para o porto de Setúbal será acompanhado pelo Ministério do Mar e também pelo Ministério do Trabalho, para garantir que os trabalhadores eventuais serão realmente integrados nos quadros dos operadores de logística.

O primeiro cargueiro para carregar os carros da Autoeuropa chegou ontem a Setúbal e vai sair na terça-feira para o porto de Sheerness, no Reino Unido, utilizado pelo grupo VW. No mesmo dia, sairá o segundo navio, que tem como destino o porto de Emden.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Autoeuropa já tem dois cargueiros a caminho para escoar carros