autoeuropa

Autoeuropa volta à produção após paragem de 10 dias

Autoeuropa conta com cerca de 5700 trabalhadores. ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )
Autoeuropa conta com cerca de 5700 trabalhadores. ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Paragem de produção na fábrica de Palmela teve apenas a ver com dificuldades de resposta de alguns fornecedores da Autoeuropa.

Os trabalhadores da Autoeuropa regressam esta sexta-feira ao trabalho, depois de uma paragem de produção que teve início no dia 22 de dezembro devido à falta de motores a gasolina, confirmou à agência Lusa fonte da empresa.

A paragem de produção na Autoeuropa nada teve a ver com a greve dos estivadores do Porto de Setúbal, em protesto contra o elevado número de trabalhadores em situação de precariedade, mas com dificuldades de resposta de alguns fornecedores da fábrica de Palmela.

Com a mediação do Ministério do Mar, o conflito laboral no Porto de Setúbal, que se arrastava desde o início de novembro do ano passado, foi ultrapassado com a assinatura de um acordo no passado dia 14 de dezembro.

Esse acordo permitiu a integração de 56 trabalhadores precários nos quadros de pessoal das empresas Operestiva e Setulsete e garantiu a preferência dos restantes na distribuição de trabalho, face a outros trabalhadores que ainda não trabalham no Porto de Setúbal.

Segundo o gerente da Operestiva, Diogo Marecos, após a resolução do conflito laboral, “a Autoeuropa exportou um total de 13 mil veículos a partir do Porto de Setúbal, no período de 14 a 31 de dezembro do ano passado”.

“Neste momento, a Autoeuropa tem cerca de 1.500 viaturas no Porto de Setúbal e mais oito mil em diversos parques secundários, designadamente na Base Aérea do Montijo”, acrescentou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Autoeuropa volta à produção após paragem de 10 dias