Montepio

Banco de Portugal duvida de decisão de Tomás Correia sobre multas do Montepio

Tomás Correia, (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens
Tomás Correia, (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

Supervisor enviou carta a Carlos Tavares, presidente do Banco Montepio, sobre decisão do presidente da Associação Mutualista tomada em março de 2018.

O Banco de Portugal duvida da decisão da Associação Mutualista Montepio de transferir para o Banco Montepio as multas dos processos em que gestores ou ex-gestores do banco estejam envolvidos. O supervisor bancário mandou uma carta ao Banco Montepio com várias questões sobre a legalidade da decisão. No limite, a deliberação tomada em assembleia-geral no dia 16 de março de 2018 poderá ser anulada.

Além de indicar um potencial conflito de interesses – a proposta foi assinada por quem a aprovou e da qual pode ser beneficiário – poderão não ter seguido todos os requisitos legais, segundo a edição desta segunda-feira do jornal Público.

A instituição liderada por Carlos Costa também quer saber informação detalhada sobre os custos já incorridos com processos. Em concreto, refere-se o pagamento de 950 000 euros à sociedade de advogados Uría Menéndez – Proença de Carvalho, liderada por Daniel Proença de Carvalho (presidente do conselho de administração do Global Media Group, dono do Dinheiro Vivo).

A iniciativa aprovada em março de 2018 pode ter custos elevados para o Banco Montepio. Em fevereiro, o Banco de Portugal aplicou multas no montante total de 2,5 milhões de euros a ex-gestores do banco, incluindo Tomás Correia, que terá de pagar 1,25 milhões de euros. O gestor vai impugnar judicialmente esta decisão.

Este fim de semana, Tomás Correia defendeu-se do aperto do cerca feito pelo Banco de Portugal pelo poder político e garantiu que vai lutar para permanecer no cargo. A entrevista concedida ao Dinheiro Vivo e à TSF pode ler ser lida em duas partes:

Parte 1 – Tomás Correia: “Não ficará pedra sobre pedra desta decisão” do BdP

Parte 2 – Tomás Correia. “Nem os políticos nem os reguladores me encurralam”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EUA China

China retalia na ‘guerra’ com os EUA com tarifas em 75 mil milhões de bens

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
Banco de Portugal duvida de decisão de Tomás Correia sobre multas do Montepio