Desporto

Benfica procura 45 milhões em nova emissão de obrigações

(Filipe Amorim / Global Imagens)
(Filipe Amorim / Global Imagens)

O processo arranca ao mesmo tempo que a SAD do Sporting está à espera de autorização para uma emissão de 15 milhões de euros.

A SAD do Benfica vai emitir um novo empréstimo de obrigações a partir da próxima semana, válido até 2021. Os encarnados querem arrecadar 45 milhões de euros junto do retalho, segundo o prospeto divulgado esta sexta-feira junto da CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Será aplicada uma taxa de juro de 4%. Cada obrigação irá custar cinco euros; cada investidor tem de gastar pelo menos 100 euros (20 obrigações).

Esta emissão de obrigações vai decorrer entre 2 e 13 de julho; os resultados serão divulgados no dia 16 de julho, segundo o documento. Este empréstimo servirá para “consolidar o passivo num prazo mais alargado, através do refinanciamento de operações que se vencerão num futuro próximo”.

Neste caso, a SAD do Benfica vai usar esta operação para reembolsar o empréstimo de 2015, também de 45 milhões de euros, e que tem reembolso agendado para 13 de julho. Esta emissão, na altura, teve uma taxa de juro de 4,75%. O empréstimo que arranca na segunda-feira também servirá para o “financiamento da atividade corrente da Benfica SAD”.

Leia aqui: O 11 mais valioso da liga não chegava para pagar as obrigações das SAD

Em 2017, o empréstimo obrigacionista de 50 milhões de euros da SAD do Benfica também teve uma taxa de juro de 4% e foi totalmente subscrito.

O processo arranca ao mesmo tempo que a SAD do Sporting está à espera de autorização para uma emissão de 15 milhões de euros e menos de um mês depois de a SAD do FC Porto ter obtido 35 milhões junto dos investidores.

(Notícia atualizada às 13h03 com mais informação)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
Benfica procura 45 milhões em nova emissão de obrigações