mobilidade

BMW e Daimler voltam a juntar-se. Apostam em condução autónoma

Harald Kruger, presidente executivo da BMW, e Dieter Zetsche, presidente executivo do grupo Daimler. (EPA/ADAM BERRY)
Harald Kruger, presidente executivo da BMW, e Dieter Zetsche, presidente executivo do grupo Daimler. (EPA/ADAM BERRY)

Nova parceria foi anunciada menos de uma semana depois da conclusão da fusão das operações de mobilidade urbana das duas marcas automóveis.

BMW e Daimler vão voltar a trabalhar juntas. Os dois grupos automóveis vão apostar em conjunto no desenvolvimento de sistemas de condução autónoma, de acordo com o anúncio feito esta quinta-feira e que surge menos de uma semana depois de terem firmado a fusão nos serviços de mobilidade urbana. A dupla alemã vai trabalhar estas tecnologias para condução nas áreas urbanas e autoestradas.

“Juntar os conhecimentos chave das nossas empresas vai dar mais força à inovação e acelerar a difusão desta tecnologia”, destacou o administrador da BMW Klaus Fröhlich, citado pelo Financial Times.

Do lado da Daimler, o administrador Ola Källenius destaca que a condução autónoma “é uma das mais revolucionárias tendências da atualidade” e que “ao trabalhar com os parceiros certos”, é possível “fazer avanços significativos na melhoria do desempenho desta tecnologia e fornecê-la de forma segura na estrada”.

O grupo Volkswagen poderá juntar-se ainda a esta parceria, segundo declarações do presidente executivo do grupo de Wolfsburgo, Herbert Diess. Este cenário está em aberto porque este grupo alemão anunciou nas últimas semanas uma parceria com a Ford para partilha de custos no desenvolvimento desta tecnologia.

Calcula-se que o mercado de sistemas avançados de assistência à condução e de condução autónoma posssa valer 96 mil milhões de dólares em 2025 e 290 mil milhões de dólares em 2035, segundo um estudo do Goldman Sachs citado pela Reuters.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

NUNO VEIGA / LUSA

Governo apresentou queixa contra 21 pedreiras em incumprimento

Outros conteúdos GMG
BMW e Daimler voltam a juntar-se. Apostam em condução autónoma