Unesco

Candidatura do Geopark Estrela entregue em novembro na UNESCO

A candidatura da Serra da Estrela a Geopark Mundial da UNESCO vai ser entregue no início de novembro

A Associação Geopark Estrela anunciou hoje que no início de novembro vai entregar a candidatura da Serra da Estrela a Geopark Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

“Tal como esteve definido desde início, a candidatura da Estrela a Geopark mundial da UNESCO seria entregue em 2017, no período temporal que está definido pela UNESCO, que é de outubro a novembro”, disse hoje à agência Lusa Emanuel de Castro, coordenador executivo da associação.

A equipa responsável está “neste momento a ultimar os últimos pormenores e logo no início de novembro será enviada a candidatura para a Comissão Nacional da UNESCO e depois a Comissão Nacional da UNESCO enviará para a sede da UNESCO em Paris [França]”.

A decisão formal da UNESCO sobre a classificação do Geopark Estrela deverá ser conhecida “entre setembro de 2018 ou a primavera de 2019”.

“Face às novas exigências, às novas características dos programas da UNESCO, o mais provável é que a candidatura seja validada, ou que tenhamos a classificação, como acreditamos, na primavera de 2019”, vaticina.

A criação do Geopark Estrela resulta de uma parceria do Instituto Politécnico da Guarda (IPG) com a Universidade da Beira Interior e com os municípios de Gouveia, Manteigas, Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Guarda, Seia, Oliveira do Hospital, Covilhã e Belmonte (distritos de Guarda, Castelo Branco e Coimbra).

Os trabalhos da candidatura começaram em 2014. Em 2015, foi assinado o memorando de entendimento com os municípios e, no ano seguinte, foi criada a Associação Geopark Estrela, que tem sede na Guarda.

O território que é candidato a Geopark Estrela tem 2.216 quilómetros quadrados de área e 170 mil habitantes.

Emanuel de Castro disse à Lusa que a candidatura a Geopark é o “grande projeto estratégico” para a Serra da Estrela no século XXI, por ser “transversal e trabalhado com nove municípios”, e por constituir “uma estratégia de desenvolvimento sustentável com base nos recursos e no potencial” do território.

“Aquilo a que nós nos estamos a propor, ou que estamos a propor à UNESCO, é uma estratégia de desenvolvimento sustentável com base nos recursos e no potencial deste território. Passamos a pensar a nove [municípios], passamos a colocar em cima da mesa estratégias transversais a nove e, portanto, conseguimos ganhar escala mais consistente”, justificou.

Disse ainda que é um projeto importante, “porque finalmente a Serra da Estrela passa a ter uma marca internacional e uma classificação internacional, validada cientificamente pelo reconhecimento da UNESCO, semelhante às classificações do património da humanidade ou das reservas da biosfera. Passamos a ter uma classificação de Geopark, que é uma classificação territorial”.

Segundo o coordenador executivo da Associação Geopark Estrela, será classificado “todo o território” que integra a delimitação, “desde o café da aldeia até ao Vale do Zêzere”.

“Não é uma classificação para preservar, é uma classificação que implica a preservação para que se possa valorizar e aproveitar esse património para gerar riqueza e gerar valor acrescentado sobretudo para quem reside neste território”, rematou.

Com a classificação da UNESCO, a Serra da Estrela passará a integrar uma rede da qual fazem parte 127 geoparques mundiais de 34 países.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen no discurso do Estado da União. EPA/OLIVIER HOSLET

Regra europeia poria salário mínimo português nos 663 euros

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Candidatura do Geopark Estrela entregue em novembro na UNESCO