Catalunha: Cerca de 150 empresas mudam diariamente a sede para fora da região

Cerca de 150 empresas da Catalunha mudam diariamente a sua sede para fora da região, destacando-se pequenas e médias empresas (PME), seguindo o exemplo de grandes grupos bancários como Sabadell e CaixaBank.

Cerca de 150 empresas da Catalunha mudam diariamente a sua sede para fora da região, destacando-se pequenas e médias empresas (PME), seguindo o exemplo de grandes grupos bancários como Sabadell e CaixaBank.


Segundo o Luis Suárez, do Colégio de Registradores de Catalunã, entidade espanhola responsável pelo registo de empresas, a mudança de sedes para fora da Catalunha começou a aumentar a partir de 07 de outubro, depois de o banco Sabadell e o grupo Caixabank (dono do português Banco BPI) terem aprovado a mudança do seu domicílio social.


Desde 10 de outubro, quando o presidente do Governo da Catalunha, Carles Puigdemont, deixou em suspenso uma declaração de independência, as mudanças de sede para fora da Catalunha ocorrem a um ritmo de “umas 150 por dia”.


Até à passada quinta-feira, tinham sido 581 as empresas com sede na Catalunha que tinham deixado a comunidade autónoma, segundo a mesma fonte.


“Primeiro foram as grandes entidades financeiras, depois as empresas energéticas e as mais emblemáticas, e agora são as pequenas e medias empresas”, disse Suárez.


Suárez estima que, se a incerteza em torno do que acontecerá à Catalunha durar apenas algumas semanas, a “recuperação será relativamente rápida”, mas que caso se prolongue a “recessão é certa”.


Também as operações de compra e venda de imóveis estão a ser afetadas pela ‘questão catalã’, com os investidores a adiarem decisões de investimento.


O Governo regional da Catalunha (a Generalitat) realizou em 01 de outubro último um referendo de autodeterminação.


Segundo a Generalitat, nessa consulta popular, considerada ilegal pelo Estado espanhol, o “sim” à independência teve 90% dos votos dos 43% dos eleitores que foram votar, tendo aqueles que não concordam com a independência da região boicotado a ida às urnas.


Puigdemont suspendeu na passada terça-feira a independência da Catalunha depois de ter feito uma declaração ambígua no parlamento da região.


O Governo espanhol decidiu hoje dar uma “última oportunidade”, até as 10:00 (09:00 de Lisboa) de quinta-feira, ao executivo catalão para esclarecer se declarou a independência unilateral da Catalunha antes de ativar o artigo 155 da Constituição espanhola e “repor a legalidade” na comunidade autónoma da Catalunha.


Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Catalunha: Cerca de 150 empresas mudam diariamente a sede para fora da região