Mercados financeiros

CEO da Bolsa de Londres demite-se com efeitos imediatos

Xavier Rolet, CEO da Bolsa de Londres 2018.  EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA
Xavier Rolet, CEO da Bolsa de Londres 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Rolet, que em outubro revelou que sairia em finais de 2018, assinalou que desde esse anúncio, "houve muita publicidade não desejada"

O CEO da Bolsa de Valores de Londres (LSE), Xavier Rolet, apresentou a sua demissão, com efeitos imediatos, a pedido da administração, informou hoje a praça financeira.

A bolsa também comunicou que o seu presidente, Donald Brydon, não se vai apresentar como candidato à reeleição em 2019.

A administração considera que é de interesse dos acionistas contar com uma “nova equipa” para dirigir o futuro progresso da empresa, comunicou o grupo LSE aos investidores.

O mercado financeiro londrino indicou ainda que o responsável financeiro, David Warren, vai assumir o cargo de conselheiro delegado até que seja encontrada uma pessoa para substituir Xavier Rolet.

Warren está “bem capacitado” para este trabalho, dado que passou nove anos como diretor financeiro no Nasdaq, na Bolsa de Valores de Nova Iorque, antes de se juntar à Bolsa de Valores de Londres.

Rolet, que em outubro revelou que sairia em finais de 2018, assinalou que desde esse anúncio, “houve muita publicidade não desejada, algo que não ajuda a empresa”.

“A pedido da empresa, acordei demitir-me do cargo de CEO com efeitos imediatos. Não voltarei ao gabinete do CEO sob nenhuma circunstância. Estou orgulhoso do que conseguimos durante os últimos oito anos e meio”, afirmou o francês Xavier Rolet.

Segundo os ‘media’ britânicos, o anúncio, em outubro, sobre a retirada de Rotel provocou aparentemente uma disputa interna na administração, dado que o fundo Children’s Investment Fund Management (TCI), que tem uma participação superior a 5% na LSE, acusou o presidente do grupo de impulsionar a saída do CEO.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

CEO da Bolsa de Londres demite-se com efeitos imediatos