Imobiliário

Como pagou a casa? Escrituras terão de dar todos os detalhes

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Mercado de arrendamento também está incluído nesta medida, a partir dos 2500 euros por mês

As escrituras vão passar a incluir os detalhes de pagamento das casas. Notários, conservadores e agentes imobiliários vão ser obrigados a explicitar quais os meios de pagamento usados na compra e venda de prédios. Evitar negócios simulados e seguir mais facilmente o rasto do dinheiro são os principais objetivos desta medida. Os arrendamentos acima dos 2500 euros por mês também estão incluídos.

As medidas constam das propostas de lei que transpõem as regras europeias de prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo. Segundo o Jornal de Negócios desta quinta-feira, as medidas já terão chegado ao Parlamento, onde serão discutidas e aprovadas.

Por exemplo, se um prédio for comprado através de cheque, será necessário indicar o número e o banco; se o pagamento for feito por transferências bancária, terão de ser identificados o banco e o número da conta. No caso dos pagamentos em numerário, será necessário indicar a moeda usada. Só que o pagamento por este meio estará limitado a 3 mil euros.

Atualmente, numa escritura, o notário não tem conhecimento nem se pronuncia sobre os meios de pagamentos. Há casos em que o vendedor declara que recebe o dinheiro mas, mais tarde, ele não foi pago, o que transforma esta operação num negócio simulado. Com a alteração ao Código do Notariado, os notários poderão recusar escrituras quando não há cumprimento das obrigações de declaração de meios de pagamento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Como pagou a casa? Escrituras terão de dar todos os detalhes