Construção

Ritmo de produção na construção deverá crescer 4% em 2019

Fotografia: REUTERS/Mike Hutchings
Fotografia: REUTERS/Mike Hutchings

A Federação Portuguesa da Indústria de Construção e Obras Públicas estima que este aumento no ritmo de produção ultrapasse os 12,5 mil milhões.

A Federação Portuguesa da Indústria de Construção e Obras Públicas (FEPICOP) estima que em 2019 o setor registe um acréscimo real do seu ritmo de produção de 4%, ultrapassando os 12,5 mil milhões de euros.

Em comunicado, a federação salienta ainda que, para este ano, o crescimento estimado deverá ser de 3,5% na produção da construção.

Ainda assim, a FEPICOP refere que estes valores estão “longe do valor de produção atingido antes da crise que se abateu sobre o setor após o ano de 2002. De facto, nesse ano, a produção da construção atingiu os 20,2 mil milhões de euros, pelo que a produção prevista para 2019 não ultrapassará os 62% do valor atingido 17 anos antes”.

A mesma nota garante que o segmento da construção de edifícios “será o mais dinâmico em 2019, com um crescimento real previsto de 5%, essencialmente assente no dinamismo da vertente residencial, que deverá registar um acréscimo de 7,5%”.

A FEPICOP diz ainda que, pela primeira vez desde o ano 2000, as previsões apontam para uma maior evolução na área residencial do que nos trabalhos de reparação/manutenção (9,3% e 4,8%, respetivamente), “em linha com o forte crescimento do número de fogos novos licenciados, mais 39% até outubro de 2018, após crescimentos de 38% e 24% em 2016 e 2017, respetivamente”.

O segmento não residencial deverá crescer 2,4% para o ano, salienta a FEPICOP, com uma estimativa de crescimento de 3% nos edifícios não residenciais públicos, que deverão beneficiar de um aumento do investimento do Estado. A componente privada, por sua vez, poderá aumentar perto de 2%.

Por sua vez, “o segmento da engenharia civil deverá crescer 3% em termos reais em 2019, recuperando parcialmente do abrandamento sofrido em 2018, quando apenas cresceu 2% face ao ano anterior”, realça a FEPICOP.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Ritmo de produção na construção deverá crescer 4% em 2019