Energia

Crowdfunding. Housers entra no mercado de investimento em energias renováveis

João Távora.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)
João Távora. (Leonardo Negrão / Global Imagens)

Estes novos projetos na área das energias renováveis consistirão na concessão de um empréstimo, em troca de pagamento de juros, a um promotor.

A plataforma de crowdfunding imobiliário Housers, a operar em Portugal desde 2017, vai lançar uma nova tipologia de ativos que permite a oportunidade de investir no mercado de energias renováveis com um valor mínimo de 50 euros, informou a empresa em comunicado. Até agora, a Housers tem estado mais focada no setor imobiliário em países como Espanha, Itália e Portugal.

A possibilidade de diversificar o portfólio dos investidores com diferentes ativos levaram os fundadores da Housers a abrir a plataforma a uma nova área com retornos atrativos, explica João Távora, responsável pelos mercados internacionais da empresa espanhola, acrescentando que “investir em energias renováveis é investir num futuro sustentável e lucrativo”, tal como mostra o crescimento do investimento neste setor, que deverá atingir os 2,6 biliões de dólares no final de 2019, segundo um estudo da Bloomberg.

“Com esta nova tipologia, a Housers não só dá acesso aos investidores a uma tendência global de mercado, como contribui para uma economia verde, que reduz as emissões de carbono do setor de energia”, disse ainda João Távora. Desta forma, em breve, os investidores poderão investir na mesma plataforma em projetos imobiliários e em projetos de energias renováveis e sustentabilidade ambiental, relacionados com a energia solar, eficiência energética e energia limpa.

Tal como já acontece nas oportunidades de imobiliário, estes novos projetos na área das energias renováveis consistirão na concessão de um empréstimo, em troca de pagamento de juros, a um promotor que pretende angariar capital de forma rápida e flexível.

“O nosso modelo de negócios irá também permitir ajudar pequenas empresas de energia renovável a lançarem os seus projetos, sem as barreiras impostas por alguns modelos tradicionais de financiamento. O objetivo é reduzir a dificuldade que estas empresas possam encontrar no acesso a financiamento num mercado relativamente dividido, mas com intervenientes tipicamente de grande dimensão”, acrescentou ainda João Távora.

Em Portugal, desde outubro de 2017, a Housers já angariou mais de 5 milhões de euros provenientes de mais de 13.000 utilizadores portugueses. Globalmente, já ultrapassou também os 92 milhões de euros de investimento acumulado e, no total, os promotores já devolveram aos investidores um valor acumulado de 32 milhões de euros de capital e benefícios.

Fundada em Madrid, no início de 2016, conta já com mais de 30 colaboradores e está presente em Espanha, Itália e Portugal. A nível global, a Housers conta com mais de 112 mil utilizadores inscritos de todo o mundo, tendo já acumulado mais de 92 milhões de euros investidos através de financiamento colaborativo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
Crowdfunding. Housers entra no mercado de investimento em energias renováveis