BCE

Draghi pede esforço de redução do malparado aos bancos europeus

O presidente do Banco central Europeu, Mario Draghi. (REUTERS/Kai Pfaffenbach)
O presidente do Banco central Europeu, Mario Draghi. (REUTERS/Kai Pfaffenbach)

Exposição europeia é ainda superior à dos Estados Unidos e capacidade de conseguir capital é limitada, defendeu o presidente do BCE.

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, considerou esta terça-feira ainda “elevado” o crédito “malparado” de alguns bancos da zona euro, o que limita a capacidade creditícia e se traduz num menor financiamento da atividade económica.

Numa conferência sobre supervisão bancária que decorre hoje em Paris, Draghi considerou que a exposição das entidades europeias à dívida duvidosa é “ainda superior” à da dos Estados Unidos, apesar de ter diminuído “à medida que se produziu um reforço da economia” suportado pela ação do BCE.

Neste sentido, Draghi pediu um esforço “aos bancos, aos supervisores e aos reguladores para reduzir” essa exposição ao crédito malparado “sobretudo nos países onde a proporção continua a ser elevada”.

Essa condicionante, afirmou Draghi, limita a margem de manobra das entidades afetadas e a capacidade destas para captar capitais e para enfrentar operações com outras entidades.

“Os bancos com um nível elevado de dívida malparada emprestam pouco e a sua capacidade para conseguir capital é limitada”, indicou o presidente do BCE.

Draghi adiantou que “a debilidade da sua rentabilidade e as incertezas sobre a valorização dos seus ativos bloqueados reduzem as incitações a enfrentar fusões transfronteiras”.

O presidente do BCE insistiu que depois da crise económica houve avanços na regulação bancária, mas apelou aos Estados membros para progredirem na integração para a união bancária para reduzir riscos no futuro.

Draghi mostrou-se “convencido” de que se darão “passos importantes” naquela direção e considerou “essenciais” medidas como a da harmonização bancária e a criação de um mecanismo eficaz de garantia dos depósitos.

Apesar dos avanços registados, Draghi sublinhou que “são necessários mais esforços se se quiser recolher os frutos de um mercado integrado que permita partilhar os riscos no setor privado e melhorar a estabilidade macroeconómica da união monetária”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Teste - Redação DV

Liberdade e sustentabilidade dos media, com ou sem apoio do governo?

Regime dos residentes não habituais garante isenção de IRS a quem recebe pensões do estrangeiro.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Primeiros 18 residentes não habituais prestes a perder benefício

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
Draghi pede esforço de redução do malparado aos bancos europeus