Energia

EDP não abdica dos 218 milhões investidos em Fridão. Governo decidiu sozinho

António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes
António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

O governo diz que a EDP nunca quis construir a barragem, cancelou o projeto e não indemniza a elétrica, que não abdica dos 218 milhões investidos.

Horas depois do ministro do Ambiente e da Transição Energética MATE), João Pedro Matos Fernandes, ter anunciado o fim definitivo do projeto da barragem do Fridão, no rio Tâmega, sem que a EDP tenha direito a reaver o valor investido, pelo facto de nunca ter mostrado interesse em avançar com a construção da obra, a EDP reagiu dizendo que “em nenhum momento admitiu a possibilidade de não avançar com a construção do Aproveitamento Hidroelétrico do Fridão sem que lhe fosse devolvido o montante pago ao Estado, em janeiro de 2009, como contrapartida financeira pela sua exploração por 75 anos”.

A empresa deixou claro “que não abdicará dos seus direitos, nem dos mecanismos de que dispõe para a defesa dos mesmos”, podendo avançar para tribunal e pondo fim ao curto período de “lua de mel” com a nova tutela da pasta da Energia, sob a égide do MATE.

Ou seja, a elétrica não está, de todo, disposta a desistir, sem mais nem menos, do projeto sem reaver os 218 milhões que já confirmou ao Dinheiro Vivo ter investido há uma década. A EDP garante que o governo tomou uma decisão unilateral e que o ponto final em Fridão “é da total e exclusiva responsabilidade do Governo”. Pelo caminho ficou, aparentemente, um acordo entre as partes sobre o destino a dar à polémica barragem no rio Tâmega, que tantos protestos tem gerado por parte das autarquias locais (Amarante, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto e Mondim de Basto), e de várias organizações de defesa do ambiente.

“A decisão relativa à barragem do Fridão está tomada”, disse categoricamente o ministro, adiantando que o Ministério do Ambiente não encontra razão para construir nem para indemnizar a EDP”, disse o ministro, alegando um desinteresse por parte da EDP (que o Estado não contraria), e face a esse desinteresse, não existem razões para a restituição da verba. No início da atual legislatura, o Governo decidiu suspender por mais três anos a construção do empreendimento, para proceder à sua reavaliação.

“Face às notícias sobre as declarações prestadas pelo senhor ministro do Ambiente e da Transição Energética, vem a EDP esclarecer que a eventual decisão de não construir o Aproveitamento Hidroeléctrico do Fridão (AH Fridão) é da total e exclusiva responsabilidade do Governo”, disse a EDP num comunicado enviado ao Dinheiro Vivo.

A elétrica sublinhou, de novo, que “está disponível para, de forma construtiva e com base num diálogo de boa-fé entre as partes, encontrar uma solução” mas “deixando claro que não abdicará dos seus direitos, nem dos mecanismos de que dispõe para a defesa dos mesmos”.

Há precisamente uma década a barragem do Fridão, entre outras, foi anunciada no âmbito do Plano Nacional de Barragens, com as obras previstas para arrancar no terreno em 2012. Em 2009, a EDP investiu à cabeça no projeto 218 milhões de euros, confirmou a EDP ao Dinheiro Vivo. “A decisão de implementação cabe ao Governo e não à EDP. No entanto, a empresa mantém total disponibilidade para, em conjunto com as diferentes entidades envolvidas no projeto, explorar as melhores soluções”, disse fonte oficial.

Na manhã desta terça-feira, Matos Fernandes, disse que a barragem do Fridão, no rio Tâmega, não será construída e que “não há razões para a restituição de qualquer montante” à EDP. Questionada pelo Dinheiro Vivo sobre se a barragem poderia ainda avançar, sendo a obra entregue a outra empresa elétrica, fonte oficial do MATE negou por completo essa hipótese.

De qualquer forma, Iberdrola e Endesa também estariam desde logo fora da corrida à barragem do Fridão, confirmou já o Dinheiro Vivo junto das duas elétricas.

Fonte oficial da Iberdrola garantiu já ao Dinheiro Vivo que “não está a negociar a possibilidade de assumir a concessão do Complexo Hidroelétrico de Fridão”. “De recordar que a Iberdrola se encontra a desenvolver o Sistema Eletroprodutor do Tâmega, o maior investimento que mantém em Portugal, num total de 1.500 milhões de euros, até 2023”.

O Dinheiro Vivo sabe também que a Endesa não tem qualquer interesse no projeto do Fridão, sobretudo depois da experiência “traumática” com Girabolhos, onde chegou a investir 60 milhões de euros e que foi cancelada em 2016. Ao contrário da EDP, a empresa decidiu suspender o projeto e “aceitou a perda de 60 milhões de euros que já tinha investido”, entregando os terrenos ao Estado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lear Corporation

Há mais de 800 mil portugueses a trabalhar por turnos

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública. (António Pedro Santos / Lusa)

Governo vai reservar verba para financiar pré-reformas no Estado

Rui

“Se Rui Rio ganhar as eleições do PSD este Governo dura quatro anos”

Outros conteúdos GMG
EDP não abdica dos 218 milhões investidos em Fridão. Governo decidiu sozinho