Tecnologia

Está a chegar a alteração mais indesejada ao WhatsApp

whatsapp

Vem aí publicidade para o sistema de mensagens instantâneas mais popular fora dos EUA, o WhatsApp.

A temida publicidade incluída no WhatsApp está cada vez mais perto de se tornar realidade. Os milhões de utilizadores do app de mensagens instantâneas devem começar a receber em breve alertas de publicidade, na mesma altura em que respondem em grupos de conversação de familiares ou amigos. As novas diretivas deste serviço que foi comprado em 2014 pelo Facebook, tornaram óbvio que os anúncios vão começar a chegar em 2020, com exemplos até de sua operação.

Durante o grande evento de marketing do Facebook, realizado recentemente em Roterdão, na Holanda, a empresa mostrou inclusive como as ferramentas de publicidade podem ser integradas no WhatsApp. O objetivo é aproveitar e gerar receita com uma app gratuita que tem participação regular de 1.500 milhões de utilizadores.

Olivier Ponteville, líder da agência Be Connect, colocou imagens no seu Twitter da conferência, que mostra como a publicidade irá chegar, mais cedo ou mais tarde, ao WhatsApp.

Leia também | Facebook elege Londres para impulsionar pagamentos no WhatsApp

Aparentemente, a publicidade no WhatsApp vai ser integrada através dos chamados estados do WhatsApp. Será nas histórias publicadas pelos nossos contactos, que devemos começar a ver anúncios intercalados na aplicação, tal como já acontece com o Instagram e o Facebook, nas chamadas Stories.

O WhatsApp também está a considerar adicionar publicidade no meio das conversas. Foi ainda criado um formato de mensagem que oferece imagens e acesso direto às marcas que pagam publicidade, sem se sair do aplicativo.

Leia também | Ataque ao WhatsApp. O que posso fazer para me proteger?

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Está a chegar a alteração mais indesejada ao WhatsApp