Guerra comercial

Estados Unidos preparam novas taxas de 170 mil milhões a importações chinesas

Donald Trump, Presidente dos EUA. Fotografia; Reuters / Kevin Lamarque
Donald Trump, Presidente dos EUA. Fotografia; Reuters / Kevin Lamarque

Os Estados Unidos elaboraram uma lista adicional de produtos chineses importados num montante de 200 mil milhões de dólares.

Os Estados Unidos elaboraram uma lista adicional de produtos chineses importados num montante de 200 mil milhões de dólares (170 mil milhões de euros) por ano sobre os quais ameaçam impor tarifas já em setembro.

O anúncio foi feito na terça-feira pela Agência do Comércio dos Estados Unidos (United States Trade Representative, USTR).

A administração do Presidente Donald Trump aumenta assim a pressão na guerra comercial que a opõe à China e que levou, na semana passada, à imposição de direitos alfandegários sobre 34 mil milhões de dólares (29 mil milhões de euros) de importações chinesas.

Pequim respondeu imediatamente com impostos equivalentes.

“Em consequência das represálias da China e da sua incapacidade em mudar as suas práticas, o Presidente ordenou à USTR que iniciasse o processo de imposição de tarifas alfandegárias a 10% de importações adicionais de 200 mil milhões de dólares”, disse Robert Lighthizer, da USTR.

Por razões legais, segundo funcionários do governo de Trump, esses impostos só entrarão em vigor em setembro, se o processo for mesmo em frente.

O diferendo sobre a propriedade intelectual com a China que levou ao “braço de ferro” é apenas uma das frentes abertas por Donald Trump, que também decidiu taxar o aço e o alumínio importados pelos Estados Unidos, o que mereceu duras críticas da Europa e do Canadá.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, e Mário Centeno, das Finanças. Fotografia: Mário Cruz/Lusa

Salário mínimo português é o nono mais baixo da Europa em poder de compra

Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu.  (EPA/RONALD WITTEK)

Compras do BCE chegam ao fim. Portugal ficou no fundo da lista

casas de lisboa

Moody’s. Há risco de irrealismo no preço das casas em Lisboa e Porto

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Estados Unidos preparam novas taxas de 170 mil milhões a importações chinesas