crime

“Não há ninguém condenado” no caso da compra da VEM

Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas. Fotografia: Sara Matos / Global Imagens
Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas. Fotografia: Sara Matos / Global Imagens

Pedro Marques, salientou que "não há ninguém condenado" no caso da compra da VEM pelo qual Fernando Pinto foi constituído arguido.

O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, salientou que “não há ninguém condenado” no caso da compra da VEM (Varig Engenharia e Administração), pelo qual Fernando Pinto, ex-presidente da TAP, foi constituído arguido.

Em declarações à Lusa, à saída de um debate no Porto, sobre mobilidade e transportes públicos, o governante salientou que “não há ninguém condenado sobre essa matéria, há uma avaliação que é normal que seja feita sobre essas decisões de gestão e que os tribunais agora farão com normalidade”.

Pedro Marques salientou ainda que, ” independentemente” desta questão, a “operação global da TAP no Brasil tornou-se apenas a maior operação” da companhia aérea.

“E isso deve ser salientado e foi precisamente no tempo de Fernando Pinto que essa decisão estratégica foi tomada e executada”, recordou o ministro.

“Quanto a mais, deixemos trabalhar os tribunais na avaliação que estão a fazer à situação”, disse Pedro Marques, que desconhecia a condição de arguido do antigo presidente da TAP e que foi relevada pelo jornal Público.

“Há muito tempo que existem notícias sobre esta matéria e sobre a sua possível avaliação em sede judicial. As pessoas, quando são constituídas arguidas, não estão a ser condenadas em relação a nenhum facto. Está a ser avaliado um conjunto de decisões de gestão do passado que têm um enquadramento há muito tempo conhecido”, referiu.

Quanto à manutenção de Fernando Pinto como consultor da TAP, Pedro Marques disse apenas que “neste momento é consultor da administração executiva” e não quis adiantar se o gestor se iria manter neste cargo.

Fernando Pinto assumiu esta segunda-feira que o negócio “não foi uma aposta boa”, mas garantiu ter agido sempre de forma transparente.

“Os números da aviação são muito grandes. É importante que se ponham as coisas no seu devido lugar. Não deu certo, não ganhámos, é verdade. Esta aposta não foi boa, mas tivemos muitas outras apostas que deram certo”, afirmou, depois de ter recebido o grau ouro das medalhas de mérito do Turismo, no Ministério da Economia, em Lisboa.

“Tenho 50 anos de trabalho na aviação e nunca tive um desvio de posição. Sempre trabalhei de forma muito transparente, sempre fiz questão disso e manter um trabalho que seja um exemplo, até para as futuras gerações”, afirmou Fernando Pinto, confirmando ser arguido há um ano e meio.

Segundo a edição de domingo do jornal Público, Fernando Pinto foi constituído arguido no âmbito da investigação da Polícia Judiciária à compra da VEM, processo que decorreu entre 2005 e 2007, sob a suspeita de gestão danosa.

Hoje, o Ministério Público confirmou à Lusa que o antigo presidente da TAP Fernando Pinto e mais quatro pessoas são arguidos num processo que investiga administração danosa e burla qualificada.

O processo é dirigido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), estando em investigação os crimes de administração danosa e burla qualificada.

Em abril de 2016 foram realizadas buscas nas sedes da TAP e da Parpública (‘holding’ do Estado onde a transportadora está incluída) pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária, por suspeitas de gestão danosa e lucros ilícitos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
“Não há ninguém condenado” no caso da compra da VEM