Facebook admite a Bruxelas que até 2,7 milhões de utilizadores na UE possam ter sido afetados

O Facebook admitiu à Comissão Europeia que os dados de "até 2,7 milhões" de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia possam ter sido transmitidos de "maneira inapropriada" à empresa britânica Cambridge Analytica.

O Facebook admitiu à Comissão Europeia que os dados de “até 2,7 milhões” de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia possam ter sido transmitidos de “maneira inapropriada” à empresa britânica Cambridge Analytica.


Na passada quarta-feira, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, revelou que um total de 87 milhões de utilizadores da rede social foram eventualmente afetados, dos quais 2,7 milhões de cidadãos da UE, anunciou hoje a Comissão Europeia.


“O Facebook confirmou-nos que os dados pessoais de até 2,7 milhões de europeus, ou de pessoas a residir na União Europeia, para ser mais preciso, poderão ter sido transmitidos à Cambridge Analytica de maneira inapropriada”, indicou um porta-voz do executivo comunitário.


Christian Wigand apontou que a comunicação do Facebook, através de correio, surgiu em resposta a um pedido de esclarecimentos efetuado na semana passada pela Comissão Europeia, que havia solicitado à rede social que lhe transmitisse o mais rapidamente possível explicações sobre o escândalo relacionado com a empresa Cambridge Analytica.


O mesmo porta-voz acrescentou que o Facebook garantiu que já tomou as medidas necessárias para prevenir outros casos do género, mas que a Comissão vai “estudar em detalhe” a resposta da rede social e asseverou que o tema não está esgotado, estando mesmo prevista uma conversa telefónica na próxima semana entre a comissária europeia com a pasta da Justiça, Vera Jourova, e a “número 2” do Facebook, Sheryl Sandberg.


Na quarta-feira, numa conferência por telefone com vários órgãos da imprensa internacional, Mark Zuckerberg admitiu que os dados de 2,2 milhões de utilizadores “podem ter sido acedidos indevidamente”, naquela que foi a primeira confirmação oficial do Facebook sobre o escândalo do desvio de dados, depois da empresa de pesquisa Cambridge Analytica ter revelado, em março passado, que teve acesso a dados compilados pela empresa.


A rede social admitiu que a consultora Cambridge utilizou dados de 87 milhões de utilizadores da rede social para influenciar campanhas políticas em todo o mundo.


De acordo com uma fonte oficial da rede social norte-americana, a consultora pode ter acedido a dados de cerca de 63.080 utilizadores do Facebook em Portugal.


O Facebook vai desativar a ferramenta que permite aos utilizadores encontrar pessoas através de números de telefone ou endereços de correio eletrónico. Um recurso que permitia a “tipos sem escrúpulos” aceder a informações de perfis públicos, explicou Zuckerberg.


“Dada a escala e a sofisticação da atividade que vimos, acreditamos que a maioria dos utilizadores pode ter tido o perfil público ‘remexido’ dessa maneira”, disse.


Mark Zuckerberg garantiu que vai permanecer no comando da empresa e que “na vida é preciso aprender com os erros e descobrir o que se deve fazer para seguir em frente”.


“Estamos a trabalhar no sentido de ampliar a nossa visão de nossa responsabilidade”, concluiu.


Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. FILIPE FARINHA/LUSA

Marcelo promulga descida do IVA da luz consoante consumos

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

Facebook admite a Bruxelas que até 2,7 milhões de utilizadores na UE possam ter sido afetados