Opinião

Vamos falar (do sucesso) do iPhone X

iPhone X

Vamos então falar do vilipendiado, criticado, gozado e caríssimo (€1179) iPhone X. Depois da morte anunciada, o modelo dita tendências e surpreende.

O que é que define o sucesso ou insucesso de um smartphone global? O iPhone X tem sido alvo de várias críticas desde que foi lançado. O preço foi ridicularizado (1179 euros em Portugal), tal como o chamado notch – o entalhe, que recorta o topo do ecrã (que ocupa a face do telefone quase todo) – ou a ausência de botão Home e da leitura de impressão digital para desbloquear o iPhone X (feita pelo reconhecimento facial). Foi criticado também por chegar tarde a tecnologias que outros já tinham há anos.

O lado negro

Nos primeiros meses de 2018 surgiram novos dados que pareciam confirmar o flop comercial do modelo de celebração da Apple e aumentaram as críticas ao modelo. As vendas teriam ficado abaixo das expectativas e a produção iria ser cortada em mais de 50%. Depois surgiram notícias sobre como o iPhone X ia ser descontinuado – ou seja, não ia ter uma segunda geração – no final do ano, como resultado do seu falhanço nas vendas e da baixa procura que estaria a decrescer.

Vejamos as notícias que começaram a circular em janeiro deste ano e se prolongaram até abril (só houve números oficiais a 1 de maio):

“O notch está a tramar as vendas”, Bloomberg, janeiro de 2018

“O iPhone X está morto” CNBC (opinião de analista), março de 2018

“Três novos telefones vão chegar para substituir o falhado iPhone X” Forbes, abril de 2018

“Apple corta pela metade produção do iPhone X por baixa procura”, Nikkei Asian Review, 30 janeiro de 2018

“Apple pode já ter parado produção do iPhone X e vai matá-lo”, CNBC (opinião de analista), 20 de abril

Uma morte exagerada

E então, pode o iPhone X ser considerado um grande sucesso? A (minha) resposta é: sem dúvida. O iPhone X é um modelo vencedor a vários níveis – mesmo não sendo um smartphone perfeito (não é o melhor em alguns parâmetros como fotografia, bateria, entre outros). Há argumentos de sobra para suportar esta visão otimista e, muitos deles, foram revelados há poucos dias, a 1 de maio. Primeiro podemos tentar perceber, de forma breve, um dos fatores que, a nível noticioso, costuma tornar um smartphone bem-sucedido.

As expectativas é sempre um dos critérios que mais são tidos em conta. A Apple não costuma revelar as suas previsões, por isso, são acima de tudo os analistas de mercado a traçar esses cenários. Mas se olharmos para o que é o iPhone X (não esquecer que, para a Apple, se lê “10” e não “x”), também percebemos que é um produto diferente de tudo aquilo que a Apple já fez. É o terceiro iPhone a ser lançado em simultâneo, no final do ano passado – é o modelo premium dos premium. Foi apresentado em setembro ao lado dos iPhone 8 e 8 Plus, mas só foi lançado em novembro.

Depois, é um telefone de celebração dos 10 anos do primeiro iPhone e, por isso, um lançamento diferente de todos os outros para a marca de Cupertino. Com o X, a Apple mostra aquilo que pensa que vão ser os próximos passos do seu principal negócio (o iPhone). Além disso, lançou o seu rei dos iPhone a pensar naqueles que querem navegar na crista da onda da marca, sem olhar a custos (embora existam formas, com contratos com operadoras, de reduzir o preço final). Quem o usa, tem de se habituar cada vez mais ao uso do smartphone baseado nos gestos (que traz algumas vantagens) e cada vez menos botões físicos para “passear” pelo sistema operativo iOS.

Contextos à parte, os dados revelados a 1 de maio sobre as vendas nos primeiros três meses do ano revelam, afinal, boas notícias para o iPhone X e para a Apple:

Ao contrário das expectativas catastróficas dos analistas, as vendas do iPhone cresceram 2,9% – 52,2 milhões de unidades vendidas nos primeiros três meses do ano.

O mercado indica que o iPhone X não é assim tão caro.

O iPhone X é o iPhone mais vendido no início do ano (custa 999 dólares nos EUA e 1179 em Portugal – mais cerca de 300 euros do que o iPhone 8).

Tim Cook parece ter respondido assim aos analistas: “os clientes escolheram o iPhone X mais do que qualquer outro telefone no primeiro trimestre do ano”.

Um relatório da empresa de pesquisa de mercado Strategy Analytics indica que o iPhone X terá sido o telemóvel mais vendido no mundo nos primeiros três meses de 2018 (16 milhões de unidades), seguido pelo iPhone 8 (12,5), iPhone 8 Plus (8,3), iPhone 7, Xiaomi Redmi 5A, Samsung Galaxy S9 Plus.

Os primeiros meses do ano revelaram quedas recorde nas vendas de smartphones em geral (indica o Financial Times) e resultados preocupantes para HTC, Sony e LG. A Samsung, de acordo com a revista Wired, tem vendido menos unidades do Galaxy S9 no seu mercado natal, a Coreia do Sul, do que vendeu S8 em 2017. Parece tendência clara que as pessoas compram com menos frequência smartphones (não trocam durante uma média de três anos).

O telefone que (quase) todos imitam

Tornar certas características uma moda também é um sinal de sucesso para o X. Se há mérito que o primeiro iPhone, de 2007, teve foi precisamente de marcar uma tendência global para todos os smartphones, não só de design como de experiência de utilizador, com o uso de Apps e a importância da câmara – só mais tarde se aprimorou a tecnologia. O iPhone X, à venda desde o final de 2017 (esteve esgotado durante semanas em Portugal em dezembro e janeiro), passou de criticado a imitado de forma quase imediata.

A Samsung e o seu Galaxy S9 e S9 Plus foi das poucas marcas que não se rendeu a algumas tendências do iPhone X, até porque já tinha surgido em 2016 com o S8 com ecrã infinito (que ocupa praticamente toda a face do smartphone) e manteve-se fiel a um modelo que deu bons resultados.

Estes são os smartphones que adoptaram o outrora criticado notch (ou entalhe): Huawei P20 e P20 Pro, Asus ZenFone 5 e 5Z, Honos 10, Oppo R15, Oppo F7, Vivo V9, Vivo X21, Oneplus 6, LG G7 ThinQ, entre outros.

Todos se vão imitando, é certo. O próprio iPhone chegou tarde a várias características que modelos da Samsung e de outras marcas já têm há anos. O que o iPhone X devolveu à Apple foi alguma da ‘magia’ de marcar o caminho futuro, que a empresa criada e impulsionada por Steve Jobs, parecia ter perdido em modelos recentes e, isso, também é sucesso.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pedro Queiroz Pereira

Pedro Queiroz Pereira deixa império de mil milhões

Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração da Semapa

Semapa: “Mais do que um património, PQP deixa força e deixa valores”

Outros conteúdos GMG
Vamos falar (do sucesso) do iPhone X