Impostos

Finanças prolongam “Fatura da Sorte” por mais um ano

Bastidores do Concurso Fatura da Sorte com Tânia Ribas de Oliveira nos Estúdios da RTP, em 2014.
(Arquivo/ Global Imagens)
Bastidores do Concurso Fatura da Sorte com Tânia Ribas de Oliveira nos Estúdios da RTP, em 2014. (Arquivo/ Global Imagens)

Concurso para premiar contribuintes pelo pedido de fatura vai dar 2,12 milhões de euros em prémios pelo menos até final de março de 2020.

O concurso “Fatura da Sorte” vai durar mais pelo menos mais um ano. Os contribuintes podem ganhar um total de 2,12 milhões de euros em prémios até ao final de março de 2020, segundo a portaria publicada esta quarta-feira pelo Ministério das Finanças em Diário da República e que renova o orçamento atribuído ao concurso que premeia os contribuintes pelo pedida de fatura junto dos comerciantes.

Este é o terceiro ano consecutivo em que o Ministério das Finanças atribui 2,12 milhões de euros para os prémios deste concurso, que atribui Certificados do Tesouro Poupança Crescimento aos vencedores.

O orçamento total do “Fatura da Sorte”, no entanto, é de 3,26 milhões de euros: o Ministério das Finanças aloca 1,14 milhões de euros para o pagamento de imposto do selo, segundo a mesma portaria. Este montante soma-se aos 2,12 milhões de euros em prémios.

Este concurso foi lançado pelo anterior governo em 2014, quando Paulo Núncio estava à frente da Secretaria dos Assuntos Fiscais, como forma de incentivar os contribuintes a pedirem fatura com o seu NIF e, desta forma, ajudarem a combater fenómenos de evasão fiscal. Já com este governo, pela mão de Rocha Andrade (ex-SEAF) foi decidido trocar o prémio – carros de marca Audi – por Certificados do Tesouro no valor de 35 mil euros.

O “Fatura da sorte” anda à roda todas as semanas e duas vezes por ano (em junho e dezembro) há lugar a três sorteios extraordinários que atribuem um prémio de 50 mil euros aos três contribuintes que tiveram cupões em concursos nos seis meses anteriores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Pedro Amaral Jorge, presidente da APREN
(João Silva/Global Imagens)

APREN. Renováveis contribuem com 15 mil milhões de euros para o PIB

Outros conteúdos GMG
Finanças prolongam “Fatura da Sorte” por mais um ano