fintech

Fintech: Inquérito da CMVM conclui que metade do setor é a favor de regulação

Fotografia: José Pedro Monteiro
Fotografia: José Pedro Monteiro

O primeiro inquérito sobre fintech efetuado pela CMVM conclui que metade dos inquiridos está a favor da criação de regulação para o setor.

O primeiro inquérito relativo a fintech efetuado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) conclui que metade dos inquiridos está a favor da criação de regulação para o setor.

Segundo o inquérito, 52% dos participantes defende a criação de regulação específica para Initial Coin Offerings (oferta inicial de moeda) e 49% quer regulação para a consultoria para investimento ou gestão de carteiras automatizada. Uma maioria, correspondente a 68% dos inquiridos, defende uma harmonização da legislação do financiamento colaborativo na União Europeia.

Os primeiros resultados do inquérito, feito junto de intermediários financeiros, empresas fintech e associações de setores relacionados com o mercado de capitais, foram divulgados esta segunda-feira.

“Curiosamente, uma parte substancial, a maioria dos inquiridos, entende que deve haver regulação específica para certas áreas fintech“, disse Gabriela Figueiredo Dias, presidente da CMVM, num evento sobre o arranque da Semana Mundial do Investidor, que contou com a presença de representantes dos reguladores financeiros e de associações do setor.

A Semana Mundial do Investidor decorre entre dia 1 e 11 de outubro e vai contar com várias iniciativas. A CMVM associa-se pelo segundo ano consecutivo à iniciativa lançada pela IOSCO em 2017.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
Fintech: Inquérito da CMVM conclui que metade do setor é a favor de regulação