televisão

Governo assegura que novas licenças para TDT avançam este ano

TDT vai ser monitorizada

O ministro da Cultura disse que "certamente" avança este ano a atribuição de duas novas licenças para a Televisão Digital Terrestre (TDT).

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, disse hoje que “certamente” avança este ano a atribuição de duas novas licenças para a Televisão Digital Terrestre (TDT), prazo que dependerá da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC).

“Certamente que será este ano”, afirmou o governante, que falava numa audição regimental na comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto.

Respondendo a questões levantadas pelos deputados, o Luís Filipe Castro Mendes disse que, “uma vez resolvida a questão da ERC, uma vez que a nova ERC tomou posse”, será entregue a este regulador a “regulamentação e o caderno de encargos […] para apreciação”.

Depois desse passo, o prazo para avançar com as novas licenças da TDT “dependerá da decisão e da apreciação que será feita pela ERC”, acrescentou.

Em meados de abril, e também ouvido nesta comissão parlamentar, Luís Filipe Castro Mendes disse que “muito brevemente” seria entregue à ERC o regulamento para a atribuição destas duas novas licenças para a TDT.

Estas duas novas licenças, segundo afirmou na altura, irão contribuir “decisivamente” para a sustentabilidade dos operadores de televisão, uma vez que o aumento do número de canais em sinal aberto “reduzirá os custos da TDT”.

Ou seja, irá diminuir os custos da RTP, SIC e TVI com a Televisão Digital Terrestre.

Em 23 de junho de 2016, o Conselho de Ministros aprovou o alargamento da oferta da TDT em Portugal, o que previa dois canais da RTP sem publicidade e outros dois reservados para os privados, estes últimos atribuídos mediante concurso.

As emissões da RTP3 e da RTP Memória na TDT arrancaram em 01 de dezembro de 2016, passando a oferta de televisão em sinal aberto (gratuita) a ser composta pela RTP1, RTP2, SIC, TVI, RTP3, RTP Memória e ainda o canal parlamento (AR TV).

Na audição regimental de hoje, Luís Filipe Castro Mendes foi também abordado pela bancada do PSD sobre outra questão na área da comunicação social, mais precisamente a situação do repórter da RTP agredido durante a final da Taça de Portugal, que decorreu no Estádio do Jamor, em Oeiras.

Desde março passado, o Código Penal considera crime público as agressões contra jornalistas no exercício das suas funções, além de que estes profissionais passaram a estar incluídos na lista de profissões com direito a proteção acrescida.

“Temos uma nova lei, mas, infelizmente, não deixa de haver crimes. Podem existir condições de segurança, mas isso é uma questão que transcende o Ministério [da Cultura]”, indicou o governante.

Reconhecendo a “competente e eficiente atuação” das forças de segurança naquele evento, Luís Filipe Castro Mendes reforçou que “a lei não anula a existência de crime”, frisando que “a prevenção é da responsabilidade do Ministério da Administração Interna”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Governo assegura que novas licenças para TDT avançam este ano