OE 2019

Governo prevê poupar 3 milhões com fardas de militares e polícias

psp

Associações profissionais duvidam do valor da poupança calculada pelo Ministério da Administração Interna.

Ao longo do próximo ano, o Ministério da Administração Interna (MAI) acredita que poderá ter ganhos a rondar os três milhões de euros com um novo modelo de gestão para as fardas dos militares e dos polícias.

De acordo com o Relatório que acompanha o Orçamento do Estado para 2019 (OE 2019), será feita a “implementação de um novo modelo de gestão do fardamento dos militares e polícias” através de uma plataforma eletrónica de compras online com o objetivo de reduzir os gastos com os stocks e ao mesmo tempo libertar espaços “afetos à confeção, armazenamento e venda de fardamento”. Mas também para libertar pessoal para o serviço operacional de patrulhamento ou vigilância.

“Sinceramente tenho muitas dúvidas. Não fiz as contas, mas tenho muitas dúvidas que com a questão do stock, da redução do número de efetivos ligados ao fardamento e os próprios locais físicos – que também já não assim tantos (a maior parte é da polícia) –, tenho dúvidas que seja possível alcançar esse valor mas não o estou a pôr em causa. Mas parece-se um valor bastante maior do que nós poderíamos prever se nos fosse colocada a questão”, refere Paulo Rodrigues, presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP).

Também a associação que representa os militares da GNR manifesta sérias dúvidas. César Nogueira da Associação dos Profissionais da Guarda (APG) lembra que a proposta de uma plataforma online já vem do tempo de Constança Urbano de Sousa, mas acabou por ficar eplo caminho. O presidente da APG sublinha que ainda demora “porque primeiro será criada a plataforma, depois terá de haver concursos públicos. Por isso, está escrito mas não haverá nada em concreto. Isso já devia ter avançado há muito tempo se era essa a intenção do Governo”, lamenta o dirigente.

Mas no ministério de Eduardo Cabrita, prevêem-se ainda outras poupanças, como por exemplo com o novo modelo de gestão de veículos apreendidos. Nesta matéria, o ganho é mais modesto, de apenas um milhão de euros. A proposta passa por, por exemplo, vender carros apreendidos avaliados em menos de 3 mil euros. “Quando o bem referido no número anterior for um veículo automóvel, embarcação ou aeronave cujo valor resultante da avaliação seja inferior a € 3 000, apenas há lugar à sua venda”, refere o n.º2 do artigo 14º da Proposta de Lei do Orçamento do Estado.

Neste caso, o presidente da ASPP já aplaude a medida, mas pede mais. “Acho que podíamos ter ido mais longe com a questão. Podíamos avançar para um modelo em que as viaturas não ficassem a apodrecer completamente, mas este já é um passo importante”, refere Paulo Rodrigues, acrescentando que “o facto de os vender já é importante. Porque se a viatura vale três mil euros naquele momento, no final do processo é que não vale mesmo nada. Muitas vezes até tem de se pagar para a tirar do local”, remata.

Combate ao absentismo para poupar 36 milhões

O Governo quer reduzir os elevados níveis de absentismo na Administração Pública (AP) e, ao longo do próximo ano, vai implementar medidas para resolver o problema e poupar 36 milhões de euros. Só na educação, um maior controlo das faltas e das baixas poderá gerar um ganho de seis milhões de euros.

O problema é transversal a toda a AP e excluindo a educação, o Governo espera conseguir uma poupança de 30 milhões de euros.

No relatório que acompanha a Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2019, o Executivo não apresenta dados desagregados da taxa de absentismo no Estado, mas a Educação aparece destacada, tal como já aparecia no Orçamento para 2018. Na altura, o ministério liderado por Tiago Brandão Rodrigues esperava ganhos de eficiência ainda mais elevados a rondar os 10 milhões de euros.

Falta de dados

No início deste ano, a secretária de Estado da Administração Pública admitiu que a taxa de absentismo na Administração Pública poderia atingir os 7%, mas os dados eram ainda escassos.

A informação estatística mais atual diz respeito apenas ao setor da saúde. Segundo o Relatório Social do Ministério da Saúde, as ausências (por doença e restantes motivos) atingiram 10,9% em 2017, correspondendo a 1 753 584 dias, mais 29 mil do que em 2016.

No orçamento para este ano, o Governo reconhecia o “impacto que o absentismo (e emergente presentismo) representa na conjuntura atual, pelo elevado custo humano e orçamental para o país”, comprometendo-se a fazer o diagnóstico da situação.

236 milhões de poupanças

Os ganhos potenciais associados ao exercício de revisão da despesa pública podem chegar aos 236,2 milhões de euros. Os ministérios da Saúde e da Educação são os que prometem maiores poupanças, correspondente a 40% do montante total esperado.

Saúde

O ministério da recém-chegada Marta Temido é o que apresenta maiores poupanças de todos os que estão na lista. Até ao final de 2019 o setor espera conseguir ganhos de eficiência a rondar os 83,7 milhões de euros. No ano passado o valor previsto era de 166 milhões.

Educação

Comparando com o orçamento deste ano, o ministério liderado por Tiago Brandão Rodrigues é o único da lista a aumentar o valor potencial das poupanças em 2019 – mais 15%, passando de 49,4 milhões para 56,9 milhões de euros. Só pela quebra do número de turmas devido ao efeito demográfico, espera-se uma poupança de 25 milhões de euros. Segue-se a aposentação de docentes (16 milhões) e a redução do absentismo (6 milhões).

Compras públicas

A centralização das compras do Estado e a partilha de serviços já é habitual quando se fala em poupanças. Para 2019, são esperados ganhos de 35,9 milhões de euros com medidas como centralização da compra de energia, transporte e alojamento; gestão de frotas; sistemas de gestão de recursos humanos e implementação da fatura eletrónica. Só com esta última medida o ganho pode atingir os 19 milhões de euros.

Justiça

O Ministério da Justiça aponta para poupanças de 22,7 milhões de euros ao longo de 2019. Espera consegui-lo através de três medidas: os serviços partilhados (impressão, envelopes, expedição postal e tratamento do retorno) devem dar um ganho de 8,2 milhões; o projeto Tribunal + poderá gerar uma poupança em horas de trabalho equivalente a cerca de 9,7 milhões de euros por ano e o Plano Justiça Mais próxima tem um potencial de poupanças de 4,8 milhões de euros por ano.

Administração Interna

Além da poupança estimada com o novo modelo de gestão de fardamento, o ministério liderado por Eduardo Cabrita espera também ganhos com a segunda fase de mobilidade (3 milhões de euros) e o novo modelo de gestão de veículos apreendidos (1 milhão).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Governo prevê poupar 3 milhões com fardas de militares e polícias