Reino Unido

Imigração europeia para o Reino Unido no nível mais baixo desde 2013

Um homem segura uma bandeira anti-Brexit na ponte de Westminster, em Londres. (Na bandeira: "Brexit, valerá a pena?") Julho de 2018. REUTERS/Yves Herman/
Um homem segura uma bandeira anti-Brexit na ponte de Westminster, em Londres. (Na bandeira: "Brexit, valerá a pena?") Julho de 2018. REUTERS/Yves Herman/

Duzentos mil cidadãos da União Europeia (UE) imigraram para o Reino Unido em 2018, o número mais baixo registado desde 2013,

Duzentos mil cidadãos da União Europeia (UE) imigraram para o Reino Unido em 2018, o número mais baixo registado desde 2013, anunciou hoje o Gabinete oficial de estatísticas (ONS) britânico.

Em comunicado, o organismo refere que o número de imigrantes europeus tem descido gradualmente desde 2016, ano em que se realizou o referendo que determinou a saída do Reino Unido da UE, que deve ocorrer a 31 de outubro próximo.

Mas, entre março de 2018 e março de 2019, a imigração da UE foi de 200.000 pessoas, o nível mais baixo desde 2013, em que foi de 183.000.

A redução nas entradas de cidadãos comunitários, segundo o gabinete, deve-se à descida dos que vão para o Reino Unido em busca de emprego, atualmente menos de metade dos registados em 2016.

Apesar da queda, o número de cidadãos de toda a UE que vão para o Reino Unido continua a ser mais elevado que o dos que abandonam o país, com exceção dos cidadãos de países do centro e leste europeus que aderiram em 2004 (República Checa, Eslováquia, Estónia, Letónia, Lituânia, Hungria, Polónia e Eslovénia), em que houve mais 7.000 pessoas a deixar o Reino Unido que a imigrar para lá.

Em termos de número total de imigrantes entrados no mesmo período, a ONS contabilizou 612.000, enquanto as partidas foram 385.000.

O número de imigrantes extracomunitários estabilizou este ano, depois de um pequeno aumento em 2013.

Neste grupo, o principal motivo para imigrar para o Reino Unido são os estudos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa (E) e Charles Michel (D). Fotografia: EPA/JOHN THYS

Costa. Orçamento de Charles Michel é para os “países forretas”

A companhia portuguesa teve ontem de colocar os viajantes noutros voos. foto: Global Notícias

TAP estuda soluções para passageiros nos voos com Venezuela

O ministro das Finanças, Mário Centeno, com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Portugal melhora transparência financeira, mas ainda tem nota negativa

Imigração europeia para o Reino Unido no nível mais baixo desde 2013