media

Impresa vai vender todas as revistas do grupo

Francisco Pinto Balsemão
Francisco Pinto Balsemão

Impresa está em conversações com, pelo menos, três potenciais compradores

A Impresa, detentora do jornal Expresso e da SIC, decidiu vender as 13 revistas do grupo, incluindo a Visão, no âmbito de uma reorientação estratégica que passa por se focar no digital e no audiovisual.

O objectivo do grupo é abandonar todo o investimento que se prende com revistas e papel, excepto o jornal Expresso, cenário que não se colocava há cerca de um mês e que terá surgido alegadamente por pressão dos bancos credores da Impresa.

O grupo falhou recentemente uma emissão de dívida, que após alguns adiamentos, acabou por ser cancelada.

O Dinheiro Vivo apurou que a Impresa tem em curso conversações com, pelo menos, três potenciais compradores, sobretudo nacionais. E soube ainda que as revistas do grupo valerão cerca de 32 milhões de euros atualmente, segundo uma fonte interna do grupo, mas que as imparidades relativas a este segmento poderão atingir no limite os 50 milhões de euros caso os títulos sejam encerrados, devido aos custos com despedimentos.

Na última apresentação de resultados, a revista Visão foi elogiada pela melhoria da sua performance financeira e de vendas e foi divulgada a projecção de um EBITDA positivo para o final deste ano, o que já não acontecia desde 2013.

O presidente-executivo do grupo, Francisco Pedro Balsemão, que na altura proferiu aqueles elogios, foi o mesmo que hoje deu a cara para anunciar a intenção de venda das revistas.

Ao que o Dinheiro Vivo apurou, não há um timing anunciado para a execução da venda mas está a ser exercida uma forte pressão para que o negócio seja fechado até ao final do ano.

Impresa confirma e redesenha estratégia

O grupo confirmou, em comunicado, que “tendo em conta o Plano Estratégico elaborado para o triénio 2017-2019, a Impresa procederá a um reposicionamento estratégico da sua atividade, que implicará uma redução da sua exposição ao setor das revistas e um enfoque primordialmente nas componentes do audiovisual e do digital”.

“Nesse sentido, iniciou um processo formal de avaliação do seu portfolio e respetivos títulos, que poderá implicar a alienação de ativos”, refere a Impresa.

Adianta que “a prioridade passa por continuar a melhorar a situação financeira do grupo, assegurando a sua sustentabilidade económica, e logo a sua independência editorial”.

A Impresa detém, além do jornal Expresso e da SIC, vários outros títulos incluindo a revista Visão, a Caras, o Blitz, a Activa, a Exame e a Exame Informática.

No caso da revista Visão tem ainda 50 colaboradores diretos, além de outros indiretos.

O Dinheiro Vivo sabe ainda que teve lugar esta quarta-feira uma reunião de diretores com a administração e, posteriormente, de diretores com os editores, seguindo-se um plenário com os colaboradores do grupo durante esta tarde.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Impresa vai vender todas as revistas do grupo