media

Impresa vai vender todas as revistas do grupo

Francisco Pinto Balsemão
Francisco Pinto Balsemão

Impresa está em conversações com, pelo menos, três potenciais compradores

A Impresa, detentora do jornal Expresso e da SIC, decidiu vender as 13 revistas do grupo, incluindo a Visão, no âmbito de uma reorientação estratégica que passa por se focar no digital e no audiovisual.

O objectivo do grupo é abandonar todo o investimento que se prende com revistas e papel, excepto o jornal Expresso, cenário que não se colocava há cerca de um mês e que terá surgido alegadamente por pressão dos bancos credores da Impresa.

O grupo falhou recentemente uma emissão de dívida, que após alguns adiamentos, acabou por ser cancelada.

O Dinheiro Vivo apurou que a Impresa tem em curso conversações com, pelo menos, três potenciais compradores, sobretudo nacionais. E soube ainda que as revistas do grupo valerão cerca de 32 milhões de euros atualmente, segundo uma fonte interna do grupo, mas que as imparidades relativas a este segmento poderão atingir no limite os 50 milhões de euros caso os títulos sejam encerrados, devido aos custos com despedimentos.

Na última apresentação de resultados, a revista Visão foi elogiada pela melhoria da sua performance financeira e de vendas e foi divulgada a projecção de um EBITDA positivo para o final deste ano, o que já não acontecia desde 2013.

O presidente-executivo do grupo, Francisco Pedro Balsemão, que na altura proferiu aqueles elogios, foi o mesmo que hoje deu a cara para anunciar a intenção de venda das revistas.

Ao que o Dinheiro Vivo apurou, não há um timing anunciado para a execução da venda mas está a ser exercida uma forte pressão para que o negócio seja fechado até ao final do ano.

Impresa confirma e redesenha estratégia

O grupo confirmou, em comunicado, que “tendo em conta o Plano Estratégico elaborado para o triénio 2017-2019, a Impresa procederá a um reposicionamento estratégico da sua atividade, que implicará uma redução da sua exposição ao setor das revistas e um enfoque primordialmente nas componentes do audiovisual e do digital”.

“Nesse sentido, iniciou um processo formal de avaliação do seu portfolio e respetivos títulos, que poderá implicar a alienação de ativos”, refere a Impresa.

Adianta que “a prioridade passa por continuar a melhorar a situação financeira do grupo, assegurando a sua sustentabilidade económica, e logo a sua independência editorial”.

A Impresa detém, além do jornal Expresso e da SIC, vários outros títulos incluindo a revista Visão, a Caras, o Blitz, a Activa, a Exame e a Exame Informática.

No caso da revista Visão tem ainda 50 colaboradores diretos, além de outros indiretos.

O Dinheiro Vivo sabe ainda que teve lugar esta quarta-feira uma reunião de diretores com a administração e, posteriormente, de diretores com os editores, seguindo-se um plenário com os colaboradores do grupo durante esta tarde.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno, preside ao Eurogrupo. Fotografia: EPA/STEPHANIE LECOCQ

Centeno pede à Grécia para acelerar no ajustamento

Patrick Drahi lidera grupo Altice. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Concorrência pode levar compra da TVI para investigação aprofundada

Fotografia: Joost de Raeymaeker/LUSA

OIT. Pobreza e precariedade no emprego vão aumentar

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Impresa vai vender todas as revistas do grupo