BCE

Merkel pode deixar cair candidato à liderança do BCE

Angela Merkel, chanceler da Alemanha. Fotografia:  Felipe Trueba/EPA
Angela Merkel, chanceler da Alemanha. Fotografia: Felipe Trueba/EPA

Chanceler alemã deverá preferir liderança da Comissão Europeia à presidência do Banco Central Europeu.

A sucessão de Mario Draghi à frente do BCE – Banco Central Europeu poderá ser mais concorrida do que se esperava inicialmente. A Chanceler Angela Merkel poderá deixar cair o candidato alemão à liderança do supervisor europeu e apostar na sucessão de Jean-Claude Juncker à frente da Comissão Europeia, adianta esta quinta-feira o jornal alemão Handelsblatt.

Nos últimos meses, Jens Weidmann, presidente do Bundesbank (Banco Central da Alemanha) tem sido apontado como o principal candidato à sucessão de Draghi, em novembro de 2019. Só que este dirigente não terá o apoio de países como França e Itália. Tendo em conta que o próximo presidente do BCE terá de ser escolhido por consenso dos líderes da zona euro, Merkel teme que o seu candidate não seja escolhido.

Ao liderar a Comissão Europeia, a Alemanha também poderia influenciar mais as decisões ao nível de política económica, educação e digitalização.

Sem uma eventual candidatura alemã, a corrida à presidência do BCE ficará bem mais aberta, com candidatos de países como França, Holanda e Finlândia.

De França, a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, o líder do Banco de França, François Villeroy, e o administrador executivo do BCE Benoît Coueré.

Da Holanda, está a ser apontado Klaas Knot, líder do Banco Central daquele país.

Da Finlândia, surgem os nomes de Erkki Liikanen, ex-governador do Banco Central, e de Ollie Rehn, atual governador desta instituição e ex-comissário europeu para os Assuntos Económicos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

Merkel pode deixar cair candidato à liderança do BCE