bancos

Novo Banco: Imparidades são adequadas e opiniões contrárias são incorretas

O CEO do Novo Banco, Antonio Ramalho. (TIAGO PETINGA/LUSA)
O CEO do Novo Banco, Antonio Ramalho. (TIAGO PETINGA/LUSA)

A instituição presidida por António Ramalho afirma que a constituição de imparidades é auditada e sujeita à supervisão do BCE e do Banco do Portugal.

O Novo Banco considerou este domingo que as imparidades constituídas para fazer face às perdas em créditos são adequadas e que “qualquer opinião em contrário é tecnicamente incorreta e desprovida de qualquer fundamento”.

Em informação enviada à Lusa, o Novo Banco “sublinha que não possui imparidades superiores às exigíveis, nem inferiores às julgadas necessárias” e que os dados sobre o assunto são “facilmente comprováveis e naturalmente auditáveis”.

Esta resposta surge depois de várias personalidades, como políticos, terem colocado em causa o valor das imparidades (provisões para perdas, nomeadamente com crédito malparado) constituídas pelo Novo Banco, o que tem influência no pedido de recapitalização ao Fundo de Resolução.

Na sexta-feira, o líder do PSD, Rui Rio, afirmou que vão ser os contribuintes a pagar milhões ao Novo Banco, por ser grande o “horizonte de tempo” (acima de 30 anos) para admitir a devolução do dinheiro que o Estado vai emprestar ao Fundo de Resolução, e defendeu a realização de uma auditoria ao Novo Banco, para avaliar “se as imparidades [redução do valor contabilístico de um ativo] são reais ou se estão a ser empoladas”, notando ter sobre o caso “informações de alguma gravidade”.

“O Novo Banco sabe que, apresentando determinadas imparidades, o dinheiro dos portugueses vai pagar isso”, observou.

Segundo Rui Rio, o “empenho do Novo Banco em receber crédito malparado está aquém do que devia ser” e essa “facilidade” existe “face à forma como o Governo desenhou a venda” da instituição, pelo que só uma auditoria pode avaliar estas situações”.

Na informação enviada à Lusa intitulada ‘Novo Banco esclarece imparidades’, o banco que pertence em 75% ao fundo de investimento Lone Star dá algumas informações sobre as imparidades e o modo como é controlada a sua constituição.

Refere que é normal os bancos constituírem imparidades para “compensar riscos de perdas nos créditos concedidos”, o que acontece mensalmente, e que no Novo Banco esse valor é “reverificado num comité alargado, que conta com as presenças, entre outros, do CEO [António Ramalho] e da Comissão de Acompanhamento nomeada pelo Fundo de Resolução”, constituída por José Rodrigues de Jesus e Bracinha Vieira.

Além disso, aponta, “o processo é auditado, sujeito à supervisão do BCE [Banco Central Europeu] e objeto de um relatório específico definido em Instrução do Banco de Portugal”.

Sobre as imparidades de 2017, diz o Novo Banco que foram auditadas pela PWC e feito um relatório. Uma vez que há rotação de auditores, o Novo Banco tem agora como auditor a EY que já reviu o valor das imparidades à data de setembro de 2018.

“Para dezembro de 2018, o Novo Banco está a seguir o mesmo processo, devidamente supervisionado pelo BCE”, lê-se no esclarecimento.

A entidade presidida por António Ramalho diz ainda que é “também sujeito ao escrutínio comparativo, porque boa parte dos créditos de risco são igualmente detidos por vários bancos, o que permite a realização de um exercício comparativo dos níveis de imparidades específicos de cada um deles” pelo Banco de Portugal.

Sobre os créditos malparados do Novo Banco sujeitos a imparidades específicas, diz a entidade bancária que o seu nível é “mais do dobro do sistema”, 22% face a 10%, enquanto a cobertura desses créditos por imparidades é de 60%, valor que aponta estar “em linha com a maior instituição financeira portuguesa detida pelo Estado que anunciou uma cobertura ligeiramente superior [CGD]”.

O Novo Banco diz que “infelizmente” é a “instituição com o mais desafiante volume de NPLs [crédito malparado] líquidos do sistema financeiro português”.

Para o banco, estes dados esclarecem “definitivamente que o valor das imparidades por si constituídas é o adequado”, até porque são valores comprováveis e auditáveis.

“O Novo Banco reforça também a ideia de que todos os critérios apresentados demonstram a conquista progressiva da solidez da sua operação, quer pela redução do rácio de NPL’s (de 36% para 22%), quer pela sua cobertura adequada e regularmente auditada”, afirmou ainda.

O Novo Banco termina o esclarecimento a dizer que os próximos anos continuarão a ser de “pressão desafiante sobre este elemento da conta exploração”, ou seja, o crédito malparado e a necessidade de o reduzir, uma vez que tem de cumprir as regras regulatórias (sobretudo rácios de capital), os compromissos assumidos por Portugal com a União Europeia e as exigências do BCE.

No dia 01 de março, quando anunciou prejuízos de 1.412 milhões de euros em 2018 (desde que foi criado nunca teve lucros), o Novo Banco indicou que ia pedir uma injeção de capital de 1.149 milhões de euros ao Fundo de Resolução.

Em 2018, para enfrentar as perdas de 2017, o banco já tinha recebido uma injeção de capital de 792 milhões de euros, pelo que a concretizar-se o valor deste ano o Novo Banco pode receber 1.900 milhões de euros do Fundo de Resolução.

Aquando da venda do Novo Banco à Lone Star foi feito um acordo com o Fundo de Resolução pelo qual este até 2026 recapitaliza o Novo Banco por perdas num conjunto de ativos que ponham em causa os rácios de capital até 3.890 milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Novo Banco: Imparidades são adequadas e opiniões contrárias são incorretas