Opinião

O Netflix dos transportes

transportes bicicleta lego

O mercado da mobilidade já é diferente hoje do que era há apenas um par de anos, quando os taxistas já andavam à estalada com condutores da Uber

Eram quatro e meia da manhã quando o condutor da boleia pedida via smartphone chegou e disse que não fazia viagens para o aeroporto. Antes que pudesse reclamar, a porta fechou e o carro sumiu-se estrada fora, deixando para trás o odor do dióxido de carbono e do meu pânico imprevisto. Os minutos seguintes foram passados a saltar entre apps de boleias para tentar arranjar o transporte mais rápido até ao LAX, onde tinha um voo estupidamente cedo. Quando cheguei – ainda a tempo – à porta de embarque decidi que não voltava a fazer igual.

O que eu queria ter tido nessa madrugada era uma solução semelhante à da app que acaba de chegar a Los Angeles, depois de um lançamento limitado em Seattle e Portland. A Migo, apesar de não ter o nome mais interessante do mercado, oferece um serviço genial para a era da “mobilidade como serviço”, que no fundo é esta disponibilidade constante e imediata de transportes a pedido a partir de qualquer lado.

Funciona como um motor de busca para apps de boleias e outro tipo de transportes, tendo um visual muito semelhante ao do Uber e da Lyft. Introduz-se a localização e o destino e a Migo identifica que carros estão por perto, quanto tempo demorarão a chegar e quanto vão custar. Também inclui outros meios, como trotinetes eléctricas e transportes públicos. Não é apenas uma app de planeamento e não está limitada a uma cidade nem a transportes municipais específicos. Mostra tudo numa faixa vertical do lado direito e reflecte alterações em tempo real, permitindo conectar perfis (Uber, Lyft, Car2Go, etc) e fazer o pedido sem sair da app. Como é que ainda ninguém se tinha lembrado disto?

Foi provavelmente uma das perguntas que fizeram os investidores que acabaram de injectar nove milhões de dólares na startup, uma série A que incluiu a Hyundai Cradle, a Enterprise Holdings e a Thayer Ventures. Para a Uber, Lyft, Yellow Cab e outros parceiros, a Migo funciona como um canal de aquisição de clientes; para os passageiros, é uma ferramenta útil que permite comparar preços e, mais importante ainda, tempos de chegada e deslocação.

Jeff Warren, CEO da Migo, diz que a aplicação é “o Netflix dos transportes”, indo buscar serviço a todo o tipo de fornecedores. Neste momento, tem 80 mil utilizadores – e um saco cheio de dinheiro para angariar mais.

No anúncio do investimento que foi feito ontem, a CEO da Enterprise (a mesma do rent-a-car), Pamela Nicholson, disse que se tratava de uma injecção estratégica porque a Migo “oferece um valor real aos consumidores num mercado de mobilidade saturado.” O vice-presidente da Hyundai Cradle, John Suh, colocou a questão de uma forma mais vaga, mas muito certeira: “O mercado da mobilidade de amanhã vai provavelmente ser muito diferente do de hoje. Acreditamos que a Migo tem uma plataforma que irá ao encontro da procura emergente.”

O mercado da mobilidade já é diferente hoje do que era há apenas um par de anos, quando os taxistas já andavam à estalada com condutores da Uber. Agora há trotinetes eléctricas a substituir boleias no centro das cidades. Há motas eléctricas que custam menos de trinta cêntimos por minuto e não exigem carta de motociclos. Acima de tudo, há uma mudança de mentalidade que ocorreu mais rapidamente que o esperado. As construtoras automóveis demoraram algum tempo mas perceberam que o futuro será – seguramente – diferente. E aqueles que chegarem primeiro com um serviço inteligente, como a Migo, terão mais hipóteses de se tornarem dominantes.

Por enquanto, a app só está disponível em 75 cidades dos Estados Unidos e ainda não iniciou a expansão para a Europa. A boa notícia, e o mais provável, é que devem surgir novos concorrentes com propostas semelhantes, o que só deverá beneficiar o mercado. Se há muito a criticar nos novos serviços de mobilidade e na economia de partilha, há outro tanto a elogiar na forma como viraram as ofertas para algo que realmente beneficia o consumidor. Qualquer plataforma que nos facilite a vida neste inferno de trânsito e mau estacionamento em que nos vemos constantemente metidos vai ter futuro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens

Lesados do Banif pedem indemnização de 100 milhões a Portugal e a Bruxelas

As associações representativas dos taxistas marcaram para esta quarta-feira uma manifestação nacional contra a promulgação pelo Presidente da República do diploma que regula as plataformas electrónicas de transporte como a Uber, Cabify, Taxify e Chaffeur Privé. Manifestação de Lisboa.
Táxis junto à rotunda do Marquês de Pombal 
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Plataformas de transportes ganham pouco com concentração dos taxistas

Outros conteúdos GMG
O Netflix dos transportes