OE2018: Confederação do Turismo quer manter legislação laboral, mas pede menos IRC

O presidente da Confederação do Turismo Português (CTP), Francisco Calheiros, defendeu hoje que, no âmbito do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), o Governo deve manter a legislação laboral existente, mas baixar o imposto sobre as empresas.

O presidente da Confederação do Turismo Português (CTP), Francisco Calheiros, defendeu hoje que, no âmbito do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), o Governo deve manter a legislação laboral existente, mas baixar o imposto sobre as empresas.


“É nosso entendimento que, neste momento – e aliás face à baixa do desemprego, que esteve quase a 17% e que neste momento está abaixo dos 9% – não faz qualquer sentido estarmos a mexer na legislação laboral [porque] foi com esta legislação laboral que atingimos esta taxa”, afirmou o responsável, falando aos jornalistas no Palácio de Belém após uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre o OE2018.


Frisando que a CTP já entregou ao Governo as sugestões relativas ao documento, Francisco Calheiros apelou também a “um desagravamento fiscal”.


“Estamos a ter agravamento fiscal nos últimos anos e, portanto, é fundamental que haja desagravamento fiscal, nomeadamente ao nível do IRC [Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas]”, notou.


Esta redução do IRC foi também defendida hoje, noutras audiências, por responsáveis da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP).


Além disso, a Confederação do Turismo solicitou melhorias na “questão pontual dos custos de contexto, que é algo que assola o turismo há muito tempo”.


“Este Governo tem feito o Simplex +, que nós saudámos e aplaudimos, mas ainda muita coisa há para fazer além deste Simplex. É algo com que as nossas empresas se debatem todos os dias e que, de facto, nós gostaríamos que fosse bastante mais simplificado”, acrescentou.


Para o responsável, o OE2018 também deve ainda contar com medidas de incentivo ao investimento, “que é o índice que pior performance tem tido” no setor.


Também vulnerável, a seu ver, é a questão do aeroporto.


“O aeroporto é o nosso calcanhar de Aquiles neste momento e é aquilo que mais nos preocupa a curto e médio prazo”, assinalou, adiantando que esta foi outra das preocupações levadas a Marcelo Rebelo Sousa.


O chefe de Estado começou hoje a receber os parceiros económicos e sociais sobre o Orçamento do Estado para 2018, depois de ter ouvido os sete partidos com assento parlamentar.


Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lagarde centeno coronavirus

BCE. Portugal está amarrado aos bancos outra vez e isso é mau

Fotografia: Mário Cruz/EPA

Presidente da República acompanha preocupação sobre retoma de rotas da TAP

avião da TAP

PS desafia TAP a corrigir plano de rotas áreas que “lesa interesse nacional”

OE2018: Confederação do Turismo quer manter legislação laboral, mas pede menos IRC