OE 2018

Taxa batata frita. Nutricionistas lamentam oportunidade perdida

(DR)
(DR)

O CDS-PP conseguiu aprovar na quinta-feira à noite uma proposta para eliminar o imposto do sal.

A Ordem dos Nutricionistas considera que o país perdeu uma oportunidade de aprovar uma medida que teria “um enorme impacto” na saúde dos portugueses, referindo-se à eliminação do ‘imposto do sal’ da proposta de Orçamento do Estado.

“Lamentamos que os deputados se tenham demitido de legislar sobre a saúde dos portugueses”, disse à agência Lusa a bastonária da Ordem dos Nutricionistas, Alexandra Bento.

O CDS-PP conseguiu aprovar na quinta-feira à noite uma proposta para eliminar o imposto do sal, a chamada taxa batata frita, tendo contado com a abstenção do PCP para deixar a medida de fora do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018).

“Esta medida da taxação sobre produtos que são maléficos para a saúde está suportada naquilo que é a melhor evidência científica e nas recomendações das altas autoridades nesta matéria, como é o caso da Organização Mundial de Saúde”, afirmou a nutricionista.

Depois de a votação deste artigo da proposta orçamental, apresentada pelo Governo, ter sido adiada para hoje, foi votada uma proposta do CDS-PP para eliminar a medida, tendo sido aprovada com os votos a favor do PSD e do CDS-PP e com a abstenção do PCP (o PS e o BE votaram contra).

Na proposta de OE2018, o Governo tinha incluído a criação de um novo imposto de 0,80 euros por quilo sobre as bolachas, biscoitos, batatas fritas e desidratadas e flocos de cereais quando estes alimentos tiverem mais de um grama de sal por cada 100 gramas de produto.

O Governo estimava que este imposto rendesse 30 milhões de euros, uma verba que queria consignar ao Serviço Nacional de Saúde “para a prossecução dos programas para a promoção da saúde e para a prevenção da doença”.

“Perdeu-se uma grande oportunidade de legislação a favor da saúde dos portugueses”, reiterou Alexandra Bento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
dbrs-1060x594

DBRS mantém rating de Portugal em ‘BBB’ e perspetiva estável

O primeiro-ministro, António Costa, intervém durante a cerimónia de assinatura de declaração de compromisso de parceria para Reforço Excecional dos Serviços Sociais e de Saúde e lançamento do programa PARES 3.0, no Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, em Lisboa, 19 de agosto de 2020. ANDRÉ KOSTERS/LUSA

“Na próxima semana podemos chegar aos 1000 casos por dia”, avisa Costa

App Stayaway covid

App Stayaway Covid perto do milhão de downloads. 46 infetados enviaram alertas

Taxa batata frita. Nutricionistas lamentam oportunidade perdida