OE 2019

OE2019: Jovens que regressem pagam metade do IRS

Mário Centeno, ministro das Finanças. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA
Mário Centeno, ministro das Finanças. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Finanças vão ajudar nas despesas de regresso de jovens que saíram até 2015. Cultura e investigação vão ter mais orçamento em 2019.

O Governo está a preparar um desconto no IRS para os jovens que saíram de Portugal até 2015 e que voltarem em 2019 ou 2020. No Orçamento do Estado para 2019, vai haver uma redução em 50% no montante a pagar durante um período entre os três e cinco anos. A este desconto junta-se a possibilidade de deduzir, também no IRS, os custos com as despesas da viagem de regresso, instalação ou mesmo com a nova habitação.

Segundo o semanário Expresso deste sábado, esta medida irá beneficiar todos os jovens que regressarem a Portugal, independentemente da qualificação, idade ou nacionalidade. O semanário dá este exemplo: um jovem espanhol que tenha vivido em Portugal até 2014 também beneficia desta medida.

As novidades sobre o Orçamento para 2019 não ficam por aqui: o Governo vai reforçar em 12% as verbas para o Ministério da Cultura e a Fundação para a Ciência e Tecnologia e aumentar em 25% o montante dado para o emprego científico, escreve este sábado o jornal Público.

O Orçamento do Estado deverá ainda proporcionar um novo alívio de 200 milhões de euros no IRS, conforme o Governo acenou na apresentação do Programa de Estabilidade, em abril.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

OE2019: Jovens que regressem pagam metade do IRS