concertação social

Parceiros sociais voltam à Concertação Social na terça-feira

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa (C), acompanhado pelo ministros, do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva (E), do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques (2-E), das Finanças, Mário Centeno (2-D), e o da Economia, Manuel Caldeira Cabral (D), durante reunião plenária da Comissão Permanente de Concertação Social, na sede do Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, 28 de abril de 2016. PEDRO NUNES/LUSA
O primeiro-ministro de Portugal, António Costa (C), acompanhado pelo ministros, do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva (E), do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques (2-E), das Finanças, Mário Centeno (2-D), e o da Economia, Manuel Caldeira Cabral (D), durante reunião plenária da Comissão Permanente de Concertação Social, na sede do Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, 28 de abril de 2016. PEDRO NUNES/LUSA

Ordem de trabalhos da reunião prevê a apresentação do relatório trimestral sobre aplicação do acordo tripartido sobre salário mínimo.

Os parceiros sociais vão voltar à Concertação Social na terça-feira para tomar conhecimento do último relatório de acompanhamento do salário mínimo nacional (SMN).

A reunião plenária da Comissão Permanente de Concertação Social foi convocada pelo ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e contará com a presença do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

De acordo com a convocatória enviada aos parceiros sociais, a ordem de trabalhos da reunião prevê a apresentação do relatório trimestral sobre aplicação do acordo tripartido sobre salário mínimo.

Está também prevista a análise das Tendências da Política de Vistos no triénio 2015 — 2017.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Parceiros sociais voltam à Concertação Social na terça-feira