Política

Petições vão precisar de 10 mil assinaturas para serem discutidas

Assembleia da República. Fotografia: Miguel A. Lopes/Lusa
Assembleia da República. Fotografia: Miguel A. Lopes/Lusa

O número de assinaturas sobe de 4 mil para 10 mil, para uma petição ser discutida em plenário da Assembleia da República

O parlamento aprovou nesta quinta-feira, em votação final global, uma alteração que eleva de 4000 para 10 000 o número mínimo de assinaturas necessárias para que uma petição seja discutida em plenário.

O texto final apresentado pela Comissão de Assuntos Constitucionais com base numa iniciativa do PSD que altera a lei sobre o exercício do direito de petição teve votos a favor de PS e PSD, contra dos restantes partidos e deputadas não inscritas, bem como da deputada socialista Ana Paula Vitorino.

Na iniciativa original, o PSD pretendia que o número mínimo de assinaturas necessárias para discussão de uma petição em plenário passasse a ser de 15 000, mas esse artigo acabou ‘chumbado’ na especialidade, em que foi aprovada uma proposta de alteração do PS que fixa esse limite mínimo em dez mil assinaturas.

O diploma aprovado estabelece ainda que as petições que recolham entre quatro e dez mil assinaturas sejam discutidas na comissão parlamentar competente.

BE, PCP, PAN e Verdes ainda avocaram para plenário artigos do diploma, acusando PS e PSD de quererem dificultar o debate das petições em plenário, mas o texto manteve-se, com o PS a alertar que ainda nenhuma das petições que deram entrada na XIV legislatura foi agendada para debate em plenário.

Também aprovado em votação final global – com votos a favor de PS, PSD, BE, PAN, IL e da deputada não inscrita Cristina Rodrigues e votos contra dos restantes partidos e deputados – foi um texto final da Comissão de Assuntos Constitucionais com origem num diploma do PAN para alterar as regras das iniciativas legislativas de cidadãos.

O texto prevê o alargamento de matérias que podem ser objeto destas iniciativas, mas na especialidade foi ‘chumbado’ outro dos objetivos do PAN com o diploma: reduzir de 20 000 para 15 000 o número mínimo de cidadãos que pode apresentar um projeto lei à Assembleia da República, que se mantém assim inalterado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Economia portuguesa afunda 16,3% entre abril e junho

Visitantes na Festa do Avante.

Avante!: PCP reduz lotação a um terço, só vão entrar até 33 mil pessoas por dia

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

Mais 235 infetados e duas mortes por covid-19 em Portugal. Números baixam

Petições vão precisar de 10 mil assinaturas para serem discutidas