Tecnologia

Plataforma de pagamentos online Stripe lançada em Portugal

_98732890_stripe1111

Os preços da Stripe começam em 1,4% + 0,25 € por cada pagamento em cartão efetuado em Portugal.

Avaliada em 22,5 mil milhões de dólares, a plataforma global de pagamentos Stripe é lançada esta terça-feira em Portugal, expandindo-se assim para mais oito mercados europeus. Na prática, a Stripe permite que os negócios online possam aceitar pagamentos em mais de 130 moedas “em menos de 10 minutos”.

A Stripe processa milhares de milhões de dólares por ano para milhões de empresas, incluindo startups e grandes empresas como a Google, Amazon, Uber e a Shopify. Em Portugal, por exemplo, a Findster já está a usar a Stripe para oferecer serviços aos seus clientes de todo o mundo.

Outros exemplos de empresas portuguesas que recorrem à plataforma da Stripe são a Unbabel e a Uniplaces, informa a empresa em comunicado. Os preços da Stripe começam em 1,4% + 0,25 € por cada pagamento em cartão efetuado em Portugal.

“Portugal tem grandes talentos ao nível do empreendedorismo e das tecnologias e por isso acreditamos que cada vez mais empresas portuguesas se pretendam expandir globalmente,” afirma Guillaume Prince, Diretor da Stripe para a Europa Continental. “A Stripe visa dotar cada vez mais empresas portuguesas dos recursos necessários para exportarem a sua criatividade e ambição para o resto do mundo”, sublinhou.

Além de aceitar pagamentos dos métodos mais populares em todo o mundo – Visa, MC, Amex, Alipay, WeChatPay e Multibanco, em Portugal -, as empresas podem usar a Stripe para fazer tarefas de contabilidade, faturação, pagamentos a terceiros e otimização de pagamentos móveis. Os utilizadores também têm acesso às mobile wallets, como o Apple Pay e o Google Pay.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
Plataforma de pagamentos online Stripe lançada em Portugal