portos

Portos com menos movimentos de carga até novembro

Contentores no Porto de Lisboa. 
(Gerardo Santos / Global Imagens)
Contentores no Porto de Lisboa. (Gerardo Santos / Global Imagens)

Instabilidade laboral nos portos de Lisboa, Setúbal e Figueira da Foz influenciaram redução de movimentos, segundo a AMT.

A carga movimentada nos portos portugueses caiu 4,4% até novembro, para 84,9 milhões de toneladas, face ao período homólogo, com Aveiro e Faro em contraciclo, segundo a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

Esta queda de 3,9 milhões de toneladas “foi muito influenciada pela diminuição da importação de petróleo bruto e carvão”, sendo que há ainda a assinalar “sinais de recuperação ao nível do tráfego de contentores, que registou +0,8% em número e +1,4% no volume de carga contentorizada”, explica o relatório da AMT divulgado hoje.

Segundo o relatório, “apenas Aveiro e Faro registaram desempenhos positivos traduzidos por taxas respetivas de crescimento de 6,2% e 74,3%, com Aveiro a manter a melhor marca de sempre, com um volume superior a 5 milhões de toneladas”.

A maioria das infraestruturas, no entanto, perdeu carga, num total superior a 4,2 milhões de toneladas, com um maior peso em Sines (-2,6 milhões de toneladas), Lisboa (-796 mil toneladas) e Leixões (-496 mil toneladas). Setúbal registou uma queda de 278 mil toneladas.

De acordo com a AMT, os portos têm presença num total de 57 mercados, tendo “31 registado quebras no seu volume, em termos de carga embarcada e desembarcada, num total que excede 6,5 milhões de toneladas, e os restantes registado acréscimos que atingem quase 2,7 milhões de toneladas”.

Segundo a autoridade liderada por João Carvalho, “a este comportamento não é alheio o clima de instabilidade laboral verificado principalmente no porto de Lisboa, mas também em Setúbal e Figueira da Foz, a que está associada a transferência de tráfego para os portos de Sines e de Leixões”.

Por outro lado, no segmento de contentores, a AMT revelou que “o sistema portuário do Continente movimentou cerca de 1,72 milhões de unidades e 2,75 milhões de TEU, correspondentes, respetivamente, a +0,8% e -0,2%, quando comparadas com igual período de 2017, sendo que o número de unidades representa o valor mais elevado de sempre”.

Os mercados com um comportamento mais positivo neste segmento foram o de Sines, com a melhor performance de sempre, e Leixões, avançou a entidade. Os restantes portos registaram variações negativas, com especial destaque para Lisboa que perdeu 12,6% e para Setúbal, com uma queda de 13,2%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

Salvador de Mello
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Saúde não pode andar “ao sabor de ventos políticos”

Outros conteúdos GMG
Portos com menos movimentos de carga até novembro