Arrendamento

Deputados adiam votação de mudanças no arrendamento

Helena Roseta, Deputada e Presidente da Assembleia Municipal de Lisboa.

(Jorge Amaral / Global Imagens)
Helena Roseta, Deputada e Presidente da Assembleia Municipal de Lisboa. (Jorge Amaral / Global Imagens)

Deputados adiaram para a próxima semana a votação na especialidade de cerca de duas dezenas e meia de diplomas sobre arrendamento.

Os vários diplomas (da iniciativa do governo e dos vários partidos com assento parlamentar) sobre arrendamento que têm estado em discussão no âmbito do Grupo de Trabalho da Habitação deviam ser sujeitos esta quinta-feira a uma primeira votação na especialidade (votação indiciária), mas o processo foi adiado para a próxima quarta-feira.

Este adiamento é mais um indício da falta de consenso em torno dos vários diplomas (cerca de duas dezenas e meia) que foram dando entrada nestes últimos meses.

Em cima da mesa estão iniciativas que visam alterar a duração dos contratos, conceder benefícios fiscais e criar novas políticas públicas no domínio da habitação. Na semana passada, a deputada independente e autora da proposta de Lei de Bases da Habitação Helena Roseta alertou para o risco de nenhuma das iniciativas conseguir reunir os votos necessários para ser aprovada.

Depois desta votação indiciária, espera-se que haja condições para que os diplomas subam a plenário e sejam sujeitos a votos na sessão de 26 de outubro – a última ‘janela de oportunidade’ para que as medidas possam ser aprovadas e ter impacto já em 2019.

As propostas
Em matéria de fiscalidade, todos os diplomas preveem a concessão de benefícios fiscais a quem coloque casas no arrendamento habitacional. Mas há quem faça depender a atribuição destes benefícios do valor da renda e da duração do contrato e quem não coloque nenhuma condição.

Entre as várias iniciativas com este objetivo está a proposta de lei do Governo que prevê a isenção de tributação dos rendimentos prediais decorrentes de arrendamento ou subarrendamento habitacional no âmbito do Programa de Arrendamento Acessível e uma outra que cria taxas autónomas diferenciadas de IRS para rendimentos prediais nos contratos de arrendamento habitacionais de longa duração. Assim, os contratos (ou renovações) por prazos entre 10 e 20 anos pagam 14% e os que permitam ao inquilino ficar mais de 20 anos na casa pagam 10%.

O PS veio complementar a proposta do governo, defendendo uma taxa de IRS de 25% para os senhorios que façam contratos ou aceitem fazer renovações contratuais por prazo igual ou superior a 5 e inferior a 10 anos. Para se beneficiar deste desconto é necessário ainda que o valor anual das rendas não exceda 4% do valor patrimonial do imóvel em causa.

Já o PSD defende que a taxa de IRS vá baixando à medida que os anos passam. Ou seja, para os contratos de dois anos, a taxa seria em 2019 de 26% e chegaria a 2027 nos 14%. Já os contratos a cinco anos, começariam logo a pagar um IRS de 21% no próximo ano e em 2021 baixariam para 14%.A medida visa apenas os novos contratos.

O CDS/PP quer uma descida progressiva da taxa de IRS em função da duração do contrato, prevendo taxas de 23% (para prazos entre 1 e 5 anos); 15% para prazos entre 5 e 8 anos; e 12% para os contratos a mais de 8 anos.

A proposta do BE determina que as rendas sejam tributadas a 14,5% quando o contrato não tem uma duração definida e a renda não excede 4% do valor patrimonial tributário do imóvel. Para quem não cumpra estes requisitos defende-se uma descida da taxa do IRS dos atuais 28% para 23%.

Quando foi ouvido no âmbito deste grupo de trabalho, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais avançou com o impacto na receita do IRS das várias iniciativas, sinalizando que oscilam entre os 54 milhões e os 57 milhões de euros. A do CDS/PP (que não tem em conta nem valores nem prazos das rendas) custaria 377 milhões de euros.

Prazos e direitos
Há, além da questão fiscal, um conjunto de iniciativas que visam alterar o regime legal do arrendamento e que vão desde a duração mínima dos contratos e à forma como devem ser renovados, à extinção do Balcão Nacional do Arrendamento sobre a duração mínima dos contratos.

O governo tem propostas destinadas a corrigir situações de desequilíbrio na posição dos arrendatários e dos senhorios, a reforçar a segurança e estabilidade do arrendamento urbano e a proteger arrendatários em situação de especial fragilidade.

O BE, por seu lado, quer medidas de combate à precariedade no arrendamento habitacional e melhorar o exercício do direito de preferência pelos arrendatários. Entre as iniciativas do Bloco está ainda a criação de punição contraordenacional por assédio no arrendamento.

O PSD defende o aperfeiçoamento do Balcão Nacional do arrendamento e o PAN quer que os trâmites de funcionamento deste BNA sejam reformulados.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Deputados adiam votação de mudanças no arrendamento