INE

Os preços subiram em média 1,4% em 2017

Compras de produtos de grande consumo voltam a cair

Os preços no consumidor subiram em média 1,4% no ano passado, acima da taxa de inflação média de 0,6% em 2016, informa hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A taxa de variação homóloga em dezembro do índice de preços no consumidor (IPC) foi superior à taxa de variação média (de 1,4%) do mesmo índice, ao atingir 1,5%, taxa de variação homóloga idêntica à de novembro.

Mas retirando os preços da energia, a taxa de inflação subjacente situou-se nos 1,2%, mais do que os 1,1% de novembro.

“O aumento da taxa de variação do IPC entre 2016 e 2017 foi influenciado pelo comportamento da inflação subjacente e pela evolução positiva dos preços dos produtos energéticos, tendo registado variações médias anuais de, respetivamente, 1,1% e 3,5% (0,7% e menos 1,8% em 2016)”, explica o INE.

O instituto diz ainda que os preços dos produtos alimentares não transformados mantiveram uma taxa de variação média de 1,8% em 2017, superior à de 1,6% em 2016.

O INE diz ainda que, analisando a evolução dos preços ao longo de 2016 e 2017, a taxa de variação homóloga do IPC total evidenciou um “movimento marcadamente ascendente” nos primeiros quatro meses do ano passado, prolongando o movimento ascendente já verificado na segunda metade de 2016.

“Após o valor máximo registado em abril de 2017, registaram-se taxas de variação homóloga abaixo do valor médio anual nos quatro meses seguintes”, adianta.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Os preços subiram em média 1,4% em 2017