OPEP

Preços do petróleo vão subir em 2018 com acordo para limitar produção – Rússia

Procura do petróleo vai subir em 2018

O ministro da Energia da Rússia estimou que o acordo assinado pelos países produtores de petróleo vai aumentar os preços no primeiro trimestre de 2018

O ministro da Energia da Rússia estimou hoje que o acordo assinado pelos países produtores de petróleo para limitar a produção e aumentar novamente os preços vai atingir o objetivo no primeiro trimestre do próximo ano.

Falando no seguimento de uma ligeira recuperação de 0,6% nos preços na sexta-feira, para 48,15 dólares, Alexander Novak disse que o objetivo do acordo, que limita a produção para contrabalançar o excesso de oferta que contribuiu para a descida dos preços, vai concretizar-se até final de março de 2018.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que conta nos seus membros com os lusófonos Angola e Guiné Equatorial, impulsionou no final do ano passado um acordo entre os seus membros, a que se juntaram outros países, para limitar a produção, escoando as reservas historicamente altas, e tentar fazer subir o preço, que continua a menos de metade do pico atingido em junho de 2014.

No final de uma reunião em Astana, o ministro da energia da Arábia Saudita, o maior produtor mundial, afirmou hoje que as reservas estão a descer e que as reduções de produção vão acelerar-se nos próximos três a quatro meses.

Khalid Al-Falih disse ainda que até ao final do ano os inventários vão ficar na média dos últimos cinco anos, mas se os cortes na produção não tiverem o efeito desejado, a Arábia Saudita pode equacionar mais medidas.

“Se virmos que, com o passar das semanas e meses, há razões para ajustamentos, faremos esse ajustamento”, disse o ministro da Energia saudita aos jornalistas, no final de uma reunião com o homólogo russo em Astana, capital do Cazaquistão.

A 25 de maio, a OPEP e outros produtores de petróleo, como a Rússia, concordaram em alargar até ao final do primeiro trimestre de 2018 o acordo de limitação da produção que tinha sido assinado no final de 2016 para fazer face ao choque nos preços, que caíram mais de 50% face ao pico do verão de 2014.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Preços do petróleo vão subir em 2018 com acordo para limitar produção – Rússia