Resultados

Prejuízos da Farfetch mais que duplicam no primeiro trimestre de 2019

José Neves, fundador da Farfetch. Fotografia: Pedro Granadeiro/Global Imagens
José Neves, fundador da Farfetch. Fotografia: Pedro Granadeiro/Global Imagens

Já as receitas e o número de clientes ativos aumentaram.

Os prejuízos da Farfetch mais que duplicaram, de 50,7 milhões de dólares no primeiro trimestre de 2018, para 109,3 milhões no primeiro trimestre de 2019. No comunicado publicado com os resultados da empresa, a plataforma de artigos de luxo, liderada por José Neves, justifica este aumento de 115,4% nas perdas com uma subida dos custos operacionais combinada com a valorização do dólar, que a Farfetch não previu e que levou a perdas cambiais nas transações internacionais.

Leia aqui: Farfetch investe 15 milhões de euros em terreno para novo campus

Já as receitas e o número de clientes ativos aumentaram. Nas receitas a subida foi de 43% e nos utilizadores ativos de 64%. O volume de negócios da empresa subiu 44% em termos homólogos, chegando aos 415 milhões de dólares no trimestre e 1,53 mil milhões nos doze meses anteriores. Os resultados “superaram as nossas expectativas e, com margem, as do crescimento do setor dos artigos de luxo online,” explicou José Neves.

Leia aqui: Farfetch compra empresa de calçado desportivo por 250 milhões

“Para além de uma robusta execução orçamental, atingimos metas estratégicas importantes, que nos posicionam para um forte crescimento continuado para além de 2020,” acrescenta o empresário português no comunicado. Algumas das conquistas recentes da Farfetch incluem a entrada de novas marcas na plataforma bem como o crescimento da rede de parceiros de negócio, o lançamento do site na Dinamarca, aumentando a presença da empresa para 15 países e também a abertura da primeira Loja do Futuro, em Paris, numa parceria com a Chanel.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(TIAGO PETINGA/LUSA)

Procuram-se especialistas para indústria em alto voo

LISBOA, 02/05/2019  - Convidado do programa “A Vida do Dinheiro” - António Bernardo
(João Silva/Global Imagens)

António Bernardo: “O modelo económico e social europeu é um modelo de futuro”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Prejuízos da Farfetch mais que duplicam no primeiro trimestre de 2019